O temporal que atingiu parte do Estado de São Paulo, na quarta-feira, matou quatro pessoas, segundo informações do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil.

  • Acompanhe o trânsito em tempo real
  • Tem informações sobre as chuvas? Envie ao iG
  • Veja a previsão do tempo para a sua cidade

    Mortes em Itapeva

    Equipes do Corpo de Bombeiros encontraram nesta quinta-feira pela manhã os corpos das duas pessoas que estavam desaparecidas desde a noite de quarta-feira, após serem levadas pela enxurrada em Itapeva, no interior de São Paulo.

    Segundo os bombeiros, uma das vítimas é um homem que estava na garupa de uma moto. A força da chuva derrubou o veículo e os dois passageiros foram levados pela enxurrada. Um deles conseguiu se salvar sem ferimentos.

    Na mesma região, no bairro Vila Maringá, um veículo caiu em uma cratera aberta pelas chuvas. Uma mulher que estava no carro acabou sendo levada pelas águas. Os dois corpos foram encontrados a uma distância de cerca de 500 metros, de acordo com os bombeiros, bem próximo do local onde desapareceram.

    AE
    Relâmpagos sobre área alagada por conta do transbordamento de um córrego no Jardim Rochdale

    Relâmpagos sobre área alagada no Jardim Rochdale

    Mortes na Grande SP

    Em Osasco, na região oeste da Grande São Paulo, duas pessoas morreram também por causa das fortes chuvas. No bairro do Rochdale, o corpo de um homem de aproximadamente 50 anos foi encontrado no início da madrugada desta quinta-feira. De acordo com a Polícia Militar (PM), o desconhecido teria sido arrastado pela enxurrada.

    A chuva também matou uma menina de 4 anos. Júlia Fernanda de Souza Alves morreu após a casa onde ela morava, no Jardim Munhoz Júnior, desabar no início da noite de quarta-feira.

    Protesto

    Revoltados com mais um prejuízo material causado por alagamentos, moradores do bairro Rochdale, em Osasco, região oeste da Grande São Paulo, resolveram retirar de casa todos os móveis e demais objetos estragados pela chuva, ateando fogo em tudo no meio da rua.

    Um dos incidentes ocorreu por volta das 19h45 na Avenida Presidente Médici, em frente a uma garagem de ônibus, onde uma gigantesca fogueira foi formada pelos manifestantes.

    Uma viatura dos bombeiros foi acionada pelo Centro de Operações da Polícia Militar. Segundo a PM, durante toda a noite várias fogueiras, bem menores que a da Avenida Presidente Médici, foram feitas por moradores, mas não houve feridos nem confronto com a polícia.

    O córrego Ribeirão Vermelho, que corta os bairros do Jardim Mutinga (de Osasco) e Rochdale, transbordou, alagando a Avenida Presidente Médici junto próximo da Avenida Mutinga.

      Chuva volta a castigar São Paulo

    (*com informações da Agência Estado)

    Leia também:

    Leia mais sobre: chuvas 

    • Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.