Tempo de peeling

Tempo de peeling Basta as temperaturas começarem a baixar que aumenta a procura por tratamentos e procedimentos em clínicas de estética e consultórios dermatológicos. Uma das estrelas da temporada é o peeling, que induz à descamação e à renovação da pele, o que a deixa mais bonita.

Agência Estado |

Há diferentes tipos de peeling, todos com a mesma função, explica Abdo Salomão Jr., dermatologista da rede de clínicas de estética Onodera, de São Paulo. "Eles promovem uma melhora da textura, da coloração e do viço da pele devido à indução da formação de uma camada de células novas após a descamação. Há os que melhoram acne ativa e cicatrizes de acne." Essa descamação ocorre com a aplicação de ácidos (peeling químico), laser ( térmico) ou de micropartículas, como o peeling de cristal (mecânico). O médico avalia o caso e indica o tratamento mais adequado.

O dermatologista diz que o procedimento é indicado para quem deseja tratamento anti-idade, melhorar manchas, cicatrizes de acne, poros abertos e acne ativa. O número de sessões varia de acordo com cada caso. Em geral, o número vai de três a seis, com pausa de uma semana a um mês. O peeling profundo é o único em que normalmente há apenas uma sessão. Diferentemente dos outros, que são feitos em consultório, nesse o paciente é levado a um hospital e chega a ser sedado para passar pelo procedimento.

Salomão recomenda repetir os peelings a cada inverno, para manter a pele sempre bonita. "A agressão à pele é contínua, portanto os cuidados também devem ser contínuos." A estação é a mais indicada, pois os produtos usados deixam a pele mais sensível à radiação ultravioleta e, nesta época, há menos exposição ao sol.

Os peelings mais superficiais podem ser feitos até mesmo na hora do almoço, em uma sessão que dura dez minutos, segundo a dermatologista Priscilla Campi, sem vermelhidão. "Ninguém percebe. Após dois dias há descamação muito leve. As pessoas só notam o resultado." As modalidades mais leves também podem ser feitas em peles morenas e negras, sem risco de manchar. O médico faz um teste antes, para garantir que não haverá problemas.

Segundo os especialistas, não há muitas restrições ao peeling, mas quem tem pele muito sensível ou problemas dermatológicos, como rosácea e vitiligo, não deve fazê-lo. Até mesmo adolescentes podem ser submetidos ao procedimento, para cuidar de acne e cicatrizes. Pessoas a partir dos 25 anos costumam recorrer a ele para reduzir poros, oleosidade, manchas e os primeiros sinais de envelhecimento.

Priscilla alerta para os cuidados pós-peeling: usar filtro solar e caprichar na hidratação. "As hidratações, em casa e no consultório, deixam a pele que foi submetida ao peeling ainda mais bonita."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG