BRASÍLIA (Reuters) - A convenção nacional do PMDB, realizada neste sábado, reelegeu o presidente licenciado da sigla, deputado Michel Temer (SP), e fortaleceu a ala do partido favorável à aliança nacional em torno da candidatura à Presidência da República da ministra Dilma Rousseff (PT). De um total de 597 votos dos convencionais, Temer foi eleito com 591. Dois votos foram nulos e quatro brancos.

"O PMDB sempre teve contradições internas, mas nós voltamos a ter a unidade absoluta do partido", disse Temer após o resultado.

Temer é um dos principais integrantes do partido cotados para assumir a candidatura à vice-presidência da República. Ao permanecer no controle, impulsiona a escolha de seu nome para a chapa com o PT.

Entre os presentes à convenção que citaram Temer como a opção mais forte dentro do partido para acompanhar Dilma nas eleições de outubro estavam o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e o deputado Eduardo Cunha (RJ), entre outras lideranças da legenda.

Para a vaga do 1o vice-presidente da sigla, foi escolhido o senador Valdir Raupp (RO), que deverá comandar o partido, caso Temer se licencie para a candidatura a vice-presidente.

O grupo da legenda que defende candidatura própria, ou mesmo um apoio ao PSDB nas eleições presidenciais, chegou a entrar na Justiça para evitar a realização da Convenção. Um recurso movido pela atual direção do partido, no entanto, conseguiu manter o encontro para este sábado.

A ala contrária à união com o PT é formada, principalmente, pelos governadores do Paraná, Roberto Requião, e Luiz Henrique da Silveira, de Santa Catarina, além do senador Jarbas Vasconcelos, de Pernambuco, e o ex-governador de São Paulo Orestes Quércia.

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, compareceu à convenção e disse que a recondução de Temer "reforça a participação do PMDB na ideia da candidatura da ministra Dilma à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva."

Ele ponderou que o postulante a vice ainda será definido. "Não interessa a ninguém a antecipação do debate sobre a vice nesse momento. A nova direção nacional do PT que assume depois do Carnaval e a nova direção nacional do PMDB que assume a partir de hoje têm a missão fundamental de sentar todo dia se for necessário para resolver o problema das alianças nacionais."

Padilha disse que compareceu ao evento como coordenador político que dialoga com as legendas partidárias.

A convenção elegeu o Diretório Nacional da sigla, responsável por indicar a Executiva Nacional do partido.

(Reportagem de Natuza Nery e Maria Carolina Marcello)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.