A diretoria da Sociedade de Cultura Artística decidiu ontem que vai reconstruir o Teatro Cultura Artística, que ficou praticamente destruído após um incêndio na madrugada de domingo. Além disso, a entidade resolveu se manter no mesmo lugar, na Rua Nestor Pestana, no centro de São Paulo, e seguir o projeto original do arquiteto Rino Levi, mas com modernizações.

O superintendente da entidade, Gérald Perret, fez ontem um primeiro contato com Paulo Bruna, arquiteto considerado "herdeiro" de Levi. Os dois marcaram uma reunião para a próxima semana, para discutir o assunto e começar a esboçar um projeto. "Estamos muito ocupados providenciando a realização dos espetáculos agendados em outras casas. Mas temos certeza de que vamos reconstruir e já vamos começar a planejar na próxima semana", diz Perret.

Bruna foi o escolhido pela Sociedade de Cultura Artística porque trabalhou com Levi e foi diretor do seu escritório por aproximadamente duas décadas. Além disso, ele detém uma cópia de todo o projeto original do teatro e elaborou um plano de modernização há aproximadamente três anos, em parceria com a entidade. Esse trabalho servirá como base para a reconstrução. Segundo Bruna, ainda é cedo para prever um cronograma para o projeto e também para estimar quanto ele custará. O arquiteto só adianta que um novo teatro não sairá antes de 20 meses.

A Sociedade de Cultura Artística pretende, a princípio, começar a erguer um novo prédio com os recursos da apólice de seguro do incêndio. Os diretores já sabem o valor que será pago, mas foram aconselhados pelos advogados a não divulgá-lo. Estima-se que seja de R$ 5 milhões. No entanto, essa quantia não será suficiente e a entidade espera levantar o restante com parcerias, concertos em outras casas e ajuda do poder público.

Leia mais sobre o Teatro Cultura Artística

Leia mais sobre: incêndios

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.