TCU vai investigar atuação de construtora no Senado

O Tribunal de Contas da União (TCU) vai investigar a atuação no Senado da construtora Construssati Serviços e Construções Ltda. O procurador do TCU, Marinus Marsico, requereu ao diretor-geral da Casa, Agaciel Maia, remessa urgente da documentação de todas as licitações e dos contratos assinados com a empresa.

Agência Estado |

Criada em outubro de 2003, a Construssati pertence a André Scarassati. André é filho do servidor aposentado do Senado, José Alcino Scarassati, amigo de Agaciel, do primeiro-secretário, senador Efraim Morais (DEM-PB), e do ex-presidente da Casa Renan Calheiros (PMDB-AL). Maria Regina Scarassati, dona de 1% do capital da empresa e mãe de André, também trabalha no Senado.

Apesar de não ter estrutura, tendo menos de dez empregados, a Construssati fez da Casa seu principal canteiro de obras, tendo obtido ali 70% de seus contratos nos primeiros cinco anos de atividade. O quadro só mudou quando Alcino foi contratado como assessor do ministro das Cidades, Márcio Fortes. Mas a Operação João de Barro, da Polícia Federal, identificou fraude na licitação do ministério vencida pela empresa, no valor de R$ 5,5 milhões, para construir casas populares em Palmas, Tocantins, dentro do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC). Alcino foi exonerado do cargo. André e Alcino negam qualquer irregularidade nos contratos celebrados pela empresa.

A iniciativa do procurador do TCU atende a pedido do presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-PB). Logo que ficou constatado o envolvimento da Construssati em irregularidades, Garibaldi disse que, sem uma denúncia concreta, não poderia investigar a ligação da empresa com a Casa. Ele defendeu, na ocasião, que as mesmas autoridades que apuraram as fraudes no PAC, estendesse a atuação à Casa.

Com o seu pedido, o procurador Marsico terá condições de checar porque a Construssati, desprovida de experiência e estrutura, foi escolhida para fazer reforma nos apartamentos do senadores e outras obras da Casa. As informações de rotina dadas até agora ao TCU chamam a atenção pela existência de vários aditivos aos preços inicialmente acertados.

Leia mais sobre Senado

    Leia tudo sobre: senado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG