Tarso Genro critica STF por ceder informações sigilosas a advogados

BRASÍLIA - O ministro Tarso Genro, da Justiça, criticou nesta terça-feira o fato de o Supremo Tribunal Federal (STF) ter permitido o acesso de advogados aos autos de inquéritos sigilosos. A autorização foi dada pelo STF em resposta a uma ação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que pediu o direito aos advogados conhecerem as partes concluídas dos inquéritos nos quais seus clientes estão envolvidos.

Carol Pires |

A crítica foi feita por Tarso Genro após ter sido cobrado por parlamentares da oposição a dar explicações sobre o envolvimento de políticos no inquérito da Operação Castelo de Areia, ação da Polícia Federal que investiga supostos crimes de lavagem de dinheiro pela empreiteira Camargo Corrêa.

Pela decisão do Supremo, o inquérito pode ser manuseado por qualquer advogado, afirmou o ministro, após negar pela terceira vez ao longo do seu depoimento de que tenha partido da Polícia Federal o vazamento de informações sobre a Castelo de Areia à imprensa.

Genro depõe nesta terça-feira na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado ao lado do diretor-geral da PF, Luiz Fernando Correâ.

Não queremos a Policia Federal exposta neste tipo de debate. Não foi a PF. Nós tivemos a cautela para anunciar do que se tratava a operação e não se referia as pessoas que estavam no inquérito, afirmou Corrêa.  O inquérito está e estava em segredo. Mas atendendo a essa nova diretriz todos os advogados dos presos tiveram dados que eu não manuseie, garantiu o diretor.

    Leia tudo sobre: tarso genro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG