¿coisa de gangster¿. Tarso afirmou, no entanto, que esse tipo de prática na PF ¿é coisa do passado¿, e que o vazamento de informações não ocorre mais. " / ¿coisa de gangster¿. Tarso afirmou, no entanto, que esse tipo de prática na PF ¿é coisa do passado¿, e que o vazamento de informações não ocorre mais. " /

Tarso afirma que vazamento de informações não ocorre mais na PF

SÃO PAULO - O ministro da Justiça, Tarso Genro, disse nessa terça-feira que concorda com avaliação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, de que vazar informações de investigações realizadas pela Polícia Federal (PF) é http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/07/01/vazamento_de_informacoes_da_pf_e_coisa_de_gangster_afima_gilmar_mendes_1408403.html¿coisa de gangster¿. Tarso afirmou, no entanto, que esse tipo de prática na PF ¿é coisa do passado¿, e que o vazamento de informações não ocorre mais.

Agência Brasil |

Se houve algum vazamento no passado, isso foi feito por alguma pessoa absolutamente irresponsável e que tem um comportamento reprovável. Coisa de gangster mesmo, disse em São Paulo, ontem à noite. 

De acordo com o ministro da Justiça, normalmente as informações sobre os processos vazam depois que ele sai do âmbito da PF e é tornado público. Depois que o processo se torna público na Justiça, que os advogados têm acesso, aí ninguém pode impedir de divulgá-los. Não é a polícia que fará isso. O advogado toma aquilo como prova e lança publicamente até para defender o seu cliente, afirmou.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, disse ontem (1º) enxergar no vazamento de informações da Polícia Federal "episódios com caráter de retaliação e tentativa de controle ideológico dos juízes".

Mendes citou casos recentes em que ele próprio, o ex-ministro do STF Sepúlveda Pertence e o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Félix Fischer, foram vítimas de informações "plantadas" na imprensa para, supostamente, intimidá-los.

"O vazamento indiscriminado de informações vem sendo feito com uma falta de cerimônia que amedronta. É um tipo de terrorismo lamentável, que não pode ser feito por agente público. Isso é coisa de gângster", disse.

Leia mais sobre: PF

    Leia tudo sobre: pf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG