Suspeitos de vazar dossiê entram em contradição em depoimento à CPI

BRASÍLIA - A sessão de depoimentos desta terça-feira na CPI mista dos cartões corporativos foi marcada por poucos esclarecimentos e muitas contradições, além da iminência de uma acareação do ex-secretário de Controle Interno da Casa Civil, José Aparecido Pires, com o assessor do deputado Álvaro Dias (PSDB-PR), André Fernandes. Enquanto Aparecido disse que enviou um e-mail por ¿falha humana¿ a Fernandes com o suposto dossiê sobre gastos do governo Fernando Henrique, o assessor parlamentar negou toda a versão do ex-amigo e disse ter novas denúncias contra o governo.

Rodrigo Ledo e Severino Motta, do Último Segundo |


O depoimento de José Aparecido não chegou ao fim, porque foi interrompido pelas votações em Plenário da Câmara dos Deputados e Senado, e será retomada nesta quarta-feira às 9h. Ao todo, a sessão da CPI dos cartões desta terça durou cerca de nove horas, ao longo das quais os parlamentares só se atreveram a dizer que um dos dois ou ambos os depoente mentiam, mas ninguém saiu declarando ter esclarecido o episódio da confecção e vazamento do suposto dossiê.

Não sinto honestidade e sinceridade em nenhuma das partes e prefiro esperar o laudo da PF [sobre o inquérito do dossiê], resumiu o líder do DEM no Senado, José Agripino Maia (RN), mesmo sendo um oposicionista ferrenho.

Contradições do assessor parlamentar

Agência Brasil 
Assessor parlamentar deixou contradições
A pressão dos parlamentares governistas deixou no ar contradições do assessor de Álvaro Dias, André Fernandes. Questionado duramente sobre o porquê de ter recebido um dossiê de um membro do governo num momento em que a "amizade estaria supostamente abalada", Fernandes deu explicações evasivas e pediu uma sessão secreta para contar cinco fatos sigilosos que não constam de seu depoimento na Polícia Federal (PF). O sigilo, no entanto, foi negado.

Até o momento da pressão, a estratégia de André Fernandes era sustentar que havia recebido do ex-secretário de Controle Interno da Casa Civil José Aparecido Pires, sem nenhum pedido anterior. Além disso, Fernandes afirmou que havia interpretado como intimidação o e-mail.

Ele narrou um almoço que teve em março no Clube Naval, em Brasília, com José Aparecido e mais duas pessoas, oportunidade em que Aparecido teria culpado Erenice Guerra , braço direito da ministra Dilma Rousseff, como responsável pela elaboração do dossiê.

"Falha humana"

Após o depoimento de Fernandes, José Aparecido negou vários pontos do depoimento do "ex-amigo". Aparecido disse que o envio do dossiê sobre gastos do governo Fernando Henrique de seu computador para o de André ocorreu por falha humana e acrescentou que nunca culpou Erenice Guerra, braço direito da ministra Dilma Rousseff, pela confecção do material.

Agência Brasil
Aparecido diz que envio de dossiê foi falha humana
Com sua fala, José Aparecido demonstrou profundas diferenças de versões em relação ao assessor André Fernandes e deverá provocar a votação de um requerimento para a CPI realizar uma acareação entre ambos ¿ conforme prometeu a presidente da CPI, senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), em várias oportunidades antes dos depoimentos desta terça.

As principais divergências foram a intenção de mandar o e-mail com a planilha de gastos tucanos e supostas declarações sobre a culpa de Erenice Guerra, conforme André Fernandes contou aos membros da CPI.

Mais denúncias contra o governo

Após o depoimento do ex-secretário da Casa Civil, André Fernandes recebeu jornalistas em gabinete ao lado do plenário da CPI e destacou que o depoimento de José Aparecido foi recheado de mentiras, porque estava amparado num habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e porque o ex-amigo é muito comprometido com o governo e o PT.

O assessor de Álvaro Dias afirmou ainda que não quer realizar uma acareação com Aparecido e disparou contra o governo, dizendo que tem novas denúncias, sem revelar quais seriam.

São fatos que não tinham relação direta com os fatos apresentados [à PF e à CPI]. Eu queria colocar para o conhecimento de parlamentares e não me deram chance, disse, para depois acrescentar que só poderia falar em sessão secreta porque podia ser fofoca do Aparecido, podia denegrir imagem, isso me constrange. André Fernandes disse que falará sobre isso quando Aparecido falar a verdade.

Sobre a possibilidade de uma acareação na CPI com o ex-amigo, André Fernandes se mostrou contrário. Acho desnecessário, desgastante e inútil. Ele está como indiciado e tem um habeas corpus, enquanto eu sou obrigado a falar a verdade, justificou.

Leia mais sobre: CPI dos Cartões  - dossiê

    Leia tudo sobre: cpi dos cartõesdossiê

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG