Publicidade
Publicidade - Super banner
Brasil
enhanced by Google
 

Suspeito dizia que era Jesus Cristo, dizem amigos de cartunista assassinado

Amigos do cartunista Glauco Villas Boas, assassinado aos 53 anos em sua casa, em Osasco, afirmam que o suposto criminoso, identificado pela polícia como Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, fez um único pedido ao artista, antes de começar a atirar: que Glauco, líder e fundador da Igreja Céu de Maria, inspirada nos cultos do Santo Daime, fosse até a casa de sua mãe para dizer que ele, também conhecido como Cadu, era Jesus Cristo.

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |


O suspeito, de 24 anos, frequentava a igreja durante algum tempo, mas estava distante dos cultos havia cerca de oito meses. Ainda segundo amigos, que pediram anonimato, Nunes era conhecido por ter comportamentos estranhos.

Reprodução
Glauco fundou a igreja Céu de Maria

De acordo com a versão de pessoas próximas ao cartunista, Nunes chegou à casa de Glauco no fim da noite de quinta-feira acompanhado por um amigo, que dirigia um Gol cinza.

Orlando Cardoso, primo e vizinho de Glauco, diz que chegou na casa pouco depois do crime e que, segundo o relato das pessoas que acompanharam o incidente, a enteada do cartunista, Juliana, que mora numa casa da comunidade, no mesmo terreno, foi rendida com uma pistola e uma faca quando chegou ao local. Ela foi obrigada a pedir que a mãe abrisse a porta da casa onde morava o cartunista, o que possibilitou o acesso do criminoso às vítimas.

Ainda segundo Orlando, Nunes queria que "todo mundo" fosse para a sua casa e dissessem à sua mãe que ele era Jesus Cristo. Só assim, pensava, evitaria que a família o internasse em uma clínica.

Glauco se opôs à ideia, o que teria acirrado a discussão, segundo Douglas Pinheiro, cunhado do cartunista.

Ainda de acordo com o cunhado, Juliana confirmou em depoimento que foi ameaçada quando chegou da faculdade e que foi só diante dessa ameaça que Nunes conseguiu entrar na casa.

Rendida com uma pistola 765, ela pediu que a mãe abrisse a porta de casa, o que possibilitou o acesso do assassino ao local. Quando entrou na casa, ele teria agredido Glauco com uma coronhada no nariz.

Sangrando, o cartunista ouviu o antigo frequentador da seita pedir que ele o acompanhasse até a casa da mãe e dissesse a ela que Nunes era Jesus Cristo.

Glauco tentou acalmar o jovem, que aparentava estar completamente alucinado, segundo os amigos ¿ que não confirmam que o suspeito teria ameaçado se matar.

Quando Raoni Ornellas Pires Villas Boas, filho do cartunista, chegou em casa, todos se apavoraram e o rapaz começou a atirar.

Eles contam também que na casa havia um amigo da família, possivelmente frequentador da igreja, a quem Nunes teria tentado atingir, em vão, com dois tiros.

Durante esse tempo, o suposto comparsa, até o momento não identificado, permaneceu no carro, tomando conta da direção.
Não tem explicação. É como perguntar qual foi a motivação do assassino do John Lennon ou do cara que tentou matar o papa, disse o colega, que pediu para não ter o nome revelado.

Carreira

AE
Glauco em foto de 1986
Nascido em 1957, em Jandaia do Sul, no Paraná, Glauco Villas-Boas publicou sua primeira tira em 1976 no Diário da Manhã, de Ribeirão Preto. A carreira decolou após ser premiado no Salão Internacional de Humor de Piracicaba, também em 1976, e na 2ª Bienal de Humorismo y Gráfica de Cuba.

Glauco começou a publicar suas tiras no jornal "Folha de S.Paulo" de maneira esporádica em 1977 e, em 1984, os desenhos passaram a ser regulares. Ele desenvolveu os personagens Geraldão, Casal Neuras, Doy Jorge, Dona Marta e Zé do Apocalipse.

Como redator, fez parte do elenco de redatores da TV Pirata, da Rede Globo. Músico, também tocava em bandas de rock.

Em parceria com os cartunistas Angeli e Laerte, lançou os "Los Três Amigos", tira com histórias sarcásticas que também eram publicadas pela Folha. Em 2006, publicou o livro "Política Zero", com 60 charges sobre a crise no governo Lula.  

Leia tudo sobre: glauco villas boas

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG