Policiais civis de Diadema, no Grande ABC, prenderam na noite de ontem Rafael Augusto Nascimento, de 19 anos, mais conhecido como Rafinha. Ele é o principal suspeito de cerca de 25 crimes, entre eles diversos roubos, um homicídio e quatro latrocínios (roubo seguido de morte), três deles cometidos quando ainda tinha menos de 18 anos.

Entre esses crimes, está o latrocínio de dois operários na quarta-feira passada na altura do quilômetro 17 da Rodovia dos Imigrantes.

Após investigação, a Polícia Civil obteve informações de que Rafinha, que estava foragido, sairia da casa da mãe, no Jardim Portinari, em Diadema, com destino a Sorocaba, no interior do Estado. Para despistar a polícia, ele estaria vestido de mulher.

Três policiais do Setor de Homicídios e outros dois do 3º Distrito Policial (DP) de Diadema se dirigiram ao local. Perto das 22h30, quando o suspeito já estava dentro de um veículo com a mãe, um tio, a irmã e a namorada, grávida, os investigadores fizeram a abordagem. Eles esperaram que o carro entrasse em movimento para que Rafinha não tivesse a oportunidade de fugir por imóveis da vizinhança. Quatro policiais do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) participaram do apoio à ação.

Rafinha estava sentado no banco de trás do veículo, entre a irmã e a namorada. Ele vestia uma blusa e um adereço na cabeça - provavelmente uma touca -, ambos femininos. No carro, o suspeito levava uma trouxa com algumas peças de roupa. A Polícia Civil ainda vai investigar quem o receberia em Sorocaba.

O suspeito foi levado ao 3º DP, onde passou a noite, incomunicável. A polícia solicitou que um médico compareça ao local, o que deve acontecer na manhã de hoje. Depois de passar por exames, Rafinha será levado ao 2º DP da cidade para prestar depoimento.

A Justiça de Diadema já havia expedido um mandado de prisão no nome de Rafinha, referente a um homicídio cometido na Favela da Coca, registrado no 2º DP. A Polícia Civil ainda vai investigar a suposta participação do preso em um crime na zona sul da capital paulista. Ele é o principal suspeito do assassinato de um policial civil no Jabaquara.

Operários

Os operadores de máquina Carlos de Sá Teles Machado, de 35 anos, e Edvaldo José da Mata Nascimento, de 33 anos, foram mortos durante um assalto na Rodovia dos Imigrantes na noite de quarta-feira passada. Um terceiro operário, de 31 anos, fingiu estar morto para escapar do assassino. As três vítimas saíram de uma empresa de injeção plástica onde trabalhavam juntas na região do bairro Serraria, em Diadema, por volta das 22 horas. Elas costumavam fazer o mesmo trajeto diariamente, de bicicleta.

Assim que atravessaram a rodovia para chegar à Vila Nogueira, onde moram, os operários foram surpreendidos pelo assaltante, que estava escondido atrás de uma árvore. Conforme o sobrevivente, nenhuma das vítimas reagiu. "Ele (o criminoso) atirou primeiro em um e depois em outro. Daí, ele atirou na minha direção. Consegui desviar do tiro e caí, daí fiquei caído me fingindo de morto. Depois disso, ele ainda atirou nos meus dois amigos, que já estavam caídos no chão, de novo", relatou. Em seguida, o criminoso fugiu.

Machado foi atingido no pescoço e na perna e morreu no local. Edvaldo José, baleado na cabeça, chegou a ser levado ao Hospital Serraria, mas não resistiu aos ferimentos. Eles estavam a menos de dez minutos de casa.

As características físicas do assassino descritas pelo sobrevivente do crime batem com as de Rafinha. Além disso, a frieza e o fato de atirar sem que a vítima esboce nenhuma reação fazem com que a polícia ligue este crime a outros cometidos na cidade, atribuídos ao procurado. "Ele (Rafinha) não se preocupa em como se comporta a vítima", explicou o delegado Wagner Camargo Gouveia, do 3º DP.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.