BRASÍLIA - Está pronta para ser julgada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a ação na qual o PDT pede a derrubada da Lei de Imprensa.

A expectativa é de que o Supremo conclua que essa legislação, que foi estabelecida durante o regime militar, está em desacordo com a Constituição Federal - promulgada no retorno do País ao regime democrático, a Carta prevê a liberdade de comunicação.

O STF deverá afirmar que os códigos Penal e Civil são suficientes para embasar as ações e decisões envolvendo suspeitas de calúnia, injúria e difamação. Além deles, também deve servir de base a própria Constituição. Na semana passada, o relator da ação, ministro Carlos Ayres Britto, informou que o processo está pronto para ser julgado.

Em um julgamento ocorrido em fevereiro do ano passado, o STF já deu sinais de como vai decidir agora o mérito da ação do PDT. Os ministros confirmaram a validade de uma liminar que suspendeu 20 dos 77 artigos da Lei de Imprensa. Até que o tribunal decida o mérito da ação, afirmaram ainda os ministros do STF, os juízes estão autorizados a usar os códigos Penal e Civil para julgar os processos.

Na ação que será julgada pelo Supremo, o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) sustenta que a Lei de Imprensa não serve para solucionar conflitos. Esta lei serve para intimidar. Esta lei serve para ameaçar, afirmou o parlamentar no dia em que o tribunal julgou o pedido de liminar. Na ação, o deputado pedetista disse que a lei é produto de um Estado autoritário, que restringiu violentamente as liberdades civis em geral, e a liberdade de comunicação em particular. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo'.

Leia mais sobre: Lei de Imprensa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.