BRASÍLIA - Para o ministro da Justiça, Tarso Genro, o Supremo Tribunal Federal (STF) deve manter a decisão de conceder asilo político ao ativista Cesare Battisti - condenado à prisão perpétua na Itália sob acusação de ter assassinado quatro pessoas entre 1978 e 1979, quando era integrante do grupo Proletários Armados pelo Comunismo (PAC).

Na avaliação de Genro, os ministros da Suprema Corte devem se guiar pelo caso do padre Oliverio Medina, ex-integrante das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), refugiado político no Brasil. Em março de 2007, o governo colombiano pediu a extradição de Medida, mas o STF deu parecer contrário.

AP

Battisti preso no Brasil em 2007

Acho que o Supremo vai manter a decisão [de asilo a Battisti], pois tem decisão semelhante em caso análogo, disse o ministro, em visita ao Congresso Nacional, nesta terça-feira. Questionado sobre qual seria o caso análogo, Genro respondeu: do Medina.

Na noite desta segunda-feira, o governo italiano apresentou ao STF um mandato de segurança contra Tarso Genro por conceder refúgio político ao ex-ativista político. O documento será incluído no processo, relatado pelo ministro Cezar Peluso. O caso ainda não tem data para ser levado à julgamento na Corte.

Leia mais sobre: Battisti

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.