Para retirar-se da disputa interna do PT pela vaga de candidato ao governo urn:schemas-microsoft-com:office:smarttags /em São Paulo w:st=onem São Paulo, o senador Eduardo Suplicy colocou uma exigência: quer antes que o partido faça uma pesquisa de intenção de votos em São Paulo w:st=onem São Paulo, para comparar o seu nome com o do senador Aloizio Mercadante. " / Para retirar-se da disputa interna do PT pela vaga de candidato ao governo urn:schemas-microsoft-com:office:smarttags /em São Paulo w:st=onem São Paulo, o senador Eduardo Suplicy colocou uma exigência: quer antes que o partido faça uma pesquisa de intenção de votos em São Paulo w:st=onem São Paulo, para comparar o seu nome com o do senador Aloizio Mercadante. " /

Suplicy contraria dirigentes e mantém impasse com Mercadante em SP

FONT-SIZE: 9pt; FONT-FAMILY: ArialPara retirar-se da disputa interna do PT pela vaga de candidato ao governo urn:schemas-microsoft-com:office:smarttags /em São Paulo w:st=onem São Paulo, o senador Eduardo Suplicy colocou uma exigência: quer antes que o partido faça uma pesquisa de intenção de votos em São Paulo w:st=onem São Paulo, para comparar o seu nome com o do senador Aloizio Mercadante.

Andréia Sadi, iG Brasília |

O PT já dá como certa a candidatura de Mercadante, mas Suplicy é o único dos pré-candidatos que ainda se mantém na disputa após a decisão do partido de lançar candidatura própria. Na última sexta-feira, o prefeito de Osasco, Emídio de Souza, retirou o seu nome da corrida. Com o martelo do lançamento do nome de Mercadante praticamente batido, Suplicy corre contra o tempo para demover a cúpula petista da decisão. 

Ele disse à reportagem que vai insistir para que algum instituto, como Datafolha, Vox Populi ou Ibope, realize a pesquisa para comprovar que, como alega, seria a melhor opção do PT para a disputa em outubro contra o pré-candidato do PSDB, Geraldo Alckmin. Eu acho justo que o PT leve isto em consideração. Minhas chances são maiores, há um apelo da população, defendeu.

Para resolver a saia-justa, o PT de São Paulo marcou uma conversa na segunda-feira em que dirigentes no Estado tentarão convencê-lo a desistir, mas o senador promete insistir na ideia. Chegou a dizer, inclusive, que acharia bom se as prévias fossem convocadas, mas o partido rejeita a tese e já dá como certa a candidatura de Mercadante.

O estatuto do partido determina a realização de prévia, com voto dos filiados, sempe que houver mais de um postulante ao mesmo cargo majoritário. No entanto, na maioria das vezes o partido tem conseguido evitar prévias, promovendo acordos entre os grupos e tendências que tentam lançar candidatos. Desta vez, o argumento da cúpula petista para evitar as prévias é o de que é necessário evitar embaraços para a campanha da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. "Se o Suplicy resolver mesmo ser candidato em São Paulo, o PT tem como regra o método da prévia, mas isso será decidido pelo diretório estadual", diz o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza.

Manifesto

Nesta quinta,   correligionários do senador entregaram ao vice-presidente do PT-SP, Rafael Marques, manifesto com 72 assinaturas em apoio à candidatura de Suplicy.

O manifesto que conta com a assinatura de lideranças sociais, dirigentes do PT, sindicalistas e intelectuais apela às lideranças da sigla para que ouçam "todas as instâncias e todos os filiados ao partido" antes da escolha do candidato. Intitulado "Queremos um governo do PT! Queremos Suplicy governador", o documento defende que o próximo governo do Estado "combata os interesses representados pela gestão Serra.

Colaborou Nara Alves, enviada a Brasília

    Leia tudo sobre: eleicoeseleiçãoeleiçõesgoverno

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG