BRASÍLIA (Reuters) - O consórcio Energia Sustentável do Brasil, liderado pela Suez e responsável pela usina de Jirau, disse na terça-feira que as obras de construção da hidrelétrica poderão atrasar se o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) não conceder a licença de instalação para o empreendimento até o fim do mês que vem. O alerta foi dado pelo presidente do consórcio, Victor Paranhos, em entrevista a jornalistas no Palácio do Planalto depois da cerimônia de assinatura do contrato de concessão da usina.

A declaração foi feita um dia depois de o ministro de Meio Ambiente, Carlos Minc, dizer que não aceitará ser cobrado pelo empresariado para acelerar a liberação de licenças ambientais se a iniciativa privada atrasar a entrega de documentos.

Paranhos reconheceu que o consórcio só entregará parte dos documentos exigidos pelo Ibama até o fim de setembro. O executivo quer, no entanto, que o governo dê antes uma licença específica para a instalação do canteiro, liberando depois o restante da obra.

Segundo Paranhos, tal licença preliminar é essencial para que o consórcio dê início às operações antes que o Rio Madeira fique muito cheio. Se isso não ocorrer, argumentou, as condições só voltarão a ser ideais em abril e o início da geração de energia atrasará três ou quatro meses.

'O Brasil tem pressa e nós estamos prontos para começar as obras imediatamente. Caso tenhamos a autorização para iniciarmos as obras do canteiro no próximo mês, podemos até convidá-los para a inauguração em 31 de dezembro de 2011, dentro de 1.236 dias', disse o presidente do Energia Sustentável do Brasil durante discurso. 'Esperamos começar as obras em setembro', completou.

A usina terá potência instalada de 3.300 MW e demandará investimentos de 9 bilhões de reais. As obras gerarão 12 mil empregos diretos e outros 30 mil indiretos, segundo Paranhos

Em relação à disputa entre o Energia Sustentável do Brasil e o consórcio que construirá a usina de Santo Antonio, também localizada no Rio Madeira, Paranhos ressaltou que está pronto para chegar a um acordo.

'No meu tempo de juventude, minha mãe falava que quando um não quer dois não brigam. Nós não queremos. Nunca brigamos e atacamos ninguém. A Energia Sustentável do Brasil não vai retaliar', afirmou.

O governo teme que a disputa, causada pela insatisfação do grupo que construirá Santo Antonio com uma mudança feita no projeto da usina de Jirau, pare nos tribunais.

Em entrevista a jornalistas, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, revelou que se reunirá nesta semana ou no início da semana que vem com representantes dos dois consórcios para tentar uma solução para o caso e evitar que uma eventual disputa judicial atrase a construção das duas usinas.

O ministro voltou a ameaçar os dois grupos. 'Se por acidente o acordo não acontecesse, o governo tomaria a iniciativa de construir as duas obras pela Eletrobrás. As obras começarão dentro do prazo', destacou o ministro.

Paranhos evitou a polêmica. 'Se ele (Lobão) diz que pode tirar, ele está cheio de razão. Não sou eu que estou aqui para duvidar do que ele diz', desconversou.

(Reportagem de Fernando Exman)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.