Suécia diz que continua na briga pelos caças

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse ontem que continuam abertas as negociações com as três empresas que querem fabricar os 36 caças que serão comprados pelo Brasil. Mas ressalvou que os compromissos apresentados pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy, serão agora analisados para que se verifique se vão mesmo se transformar em ofertas da própria Dassault, fabricante do Rafale.

Agência Estado |

O projeto é considerado preferencial pelo Brasil, conforme comunicado conjunto divulgado pelos dois governos durante encontro no Palácio da Alvorada, na segunda-feira.

Diante das ofensivas da Boeing (fabricante do F-18) e da Dassault (fabricante do Rafale) no processo de venda de 36 caças para o Brasil, a empresa sueca Saab, que produz o caça Gripen, reiterou ao jornal O Estado de S. Paulo ter como "grande trunfo" a permissão de "efetiva transferência de tecnologia, pois o avião será desenvolvido verdadeiramente em conjunto pelos dois países".

O diretor da Saab no Brasil, Bengt Janér, listou alguns dos diversos componentes do avião que serão produzidos no País, como asa, trem de pouso, parte da fuselagem, 97% dos chamados avionics - como radar, capacete com mira laser, rádio datalink, entre outros. "Os dois países têm a parceria perfeita porque são complementares e não concorrentes, todos os aviões serão produzidos no Brasil, na Embraer, e o governo sueco já se comprometeu a comprar os caças para sua força aérea, assim como o Brasil comprará para a FAB", comentou Janér.

Ele informou ainda que a Saab dará o mercado para a empresa brasileira, não só na América Latina, mas em todos os países do mundo onde ela tiver precedência. "Assim, na América Latina, África e onde a Embraer já tem mais penetração, em qualquer lugar do mundo, o produto será Embraer-Saab e onde a empresa sueca tiver mais força será Saab-Embraer", declarou ele, ao falar ainda da vantagem da integração dos armamentos, que poderá vir de qualquer país, "sem nenhuma restrição política, econômica ou técnica".

Ao explicar o andamento das negociações com a Dassault, o ministro Nelson Jobim disse que tanto a Saab quanto a Boeing poderão apresentar novas complementações de suas propostas. "O processo continua, não se encerrou ainda", disse ele. "O importante é que há uma decisão política do presidente da República de ampliar sua aliança estratégica com a França." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG