O ministro Carlos Alberto Menezes Direito, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu hoje uma liminar para que o delegado Protógenes Queiroz, da Polícia Federal (PF), tenha o direito de ficar em silêncio sem o risco de ser preso e não seja forçado a assinar termo de compromisso como testemunha em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Escutas Telefônicas. O salvo-conduto também dá a Protógenes o direito de ter assistência de advogado durante o depoimento.

A liminar também beneficia o escrivão da PF Walter Guerra. O depoimento de Protógenes, que havia sido marcado para hoje, foi adiado. A CPI pretende ouvi-lo no dia 8. Protógenes comandou a Operação Satiagraha.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.