Vizinhos ajudam moradores que perderam tudo em favela

Incêndio na favela Moinho, centro de São Paulo, deixou 300 famílias sem casas; vizinhos e missionários levaram alimentos e roupas

Fernanda Simas, iG São Paulo |

Algumas horas depois de os bombeiros controlarem o incêndio na favela Moinho, nesta quinta-feira , moradores se reuniram em um campinho de futebol da comunidade e passaram a oferecer ajuda aos que tinham perdido tudo. Eles levaram alimentos e roupas para quem precisava. A cabeleireira Julia Mendes Rodrigues, que não teve o barraco atingido pelo fogo, pensava em como colocar outra cama na sua casa para abrigar quem precisasse.

“Quero que eles se levantem de novo e vou ajudar. Conheci um senhor que está só com a roupa do corpo e já disse que ele pode ficar lá em casa”, contou. No seu barraco, recém-comprado, a cozinha e o banheiro ficam na parte de baixo e, subindo as escadas, o quarto é dividido com uma gata branca.

Fernanda Simas, iG Sâo Paulo
Moradores que perderam tudo em incêndio recebem ajuda de vizinhos

A solidariedade também veio de missionários que distribuíram a comida – um prato de macarrão, arroz e feijão – aos moradores e explicaram como deve ser feito o cadastramento de cada família para que elas não fiquem sem ter onde morar. “As pessoas aqui vivem em uma situação desumana. E essa tragédia talvez seja um alerta para mostrar que elas precisam de um lugar digno para morar”, disse Ana Beatriz Hauptmann, missionária da Aliança de Misericórdia.

Mais do incêndio:

Moradora iniciou incêndio em favela, dizem vizinhos

Grupo de favela incendiada contabiliza moradores

'Só peguei os documentos e nossos filhos', diz morador de favela incendiada

Dilma envia três ministros para incêndio em favela de SP

Embaixo do viaduto Engenheiro Orlando Murgel, outros moradores se reuniram e tiveram o auxílio do padre Júlio Lancellotti e do bispo auxiliar de São Paulo Dom Tarcísio Scaramussa. Eles realizam um trabalho assistencial na região central da cidade e afirmaram que todos os cidadãos precisam olhar para a realidade das pessoas que vivem nas favelas.

“O presépio de Natal de São Paulo não é na avenida Paulista, é aqui”, afirma o padre Lancellotti, como forma de mensagem. O bispo Scaramussa complementa. “Essa solidariedade do momento de emergência precisa continuar. Uma cidade como São Paulo tem condições de resolver uma situação dessas.”

Reprodução de TV
Incêndio em prédio na favela do Moinho, em São Paulo
Incêndio

Durante o incêndio na favela Moinho, na região de Campos Elíseos, centro de São Paulo, cerca de 300 famílias tiveram suas casas incendiadas . Segundo a Prefeitura de São Paulo, algumas delas decidiram se mudar para as casas de parentes e amigos e outras foram alojadas no Clube Raul Tabajara, da Secretaria de Esportes.

Segundo os moradores, o incêndio começou no prédio ocupado que faz parte da favela e onde moravam cerca de 600 famílias. Em toda a comunidade, estima-se que vivam três mil pessoas.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, uma pessoa foi encontrada morta e três ficaram levemente feridas, com escoriações e poucas queimaduras. O edifício que pegou fogo corre o risco de cair e, por isso, áreas próximas foram isoladas pela Defesa Civil.

A circulação de trens está suspensa em duas linhas: 7-Rubi entre as estações Luz e Barra Funda e na 8-Diamante entre as estações Barra Funda e Julio Prestes. A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) informou que não há precisão para os trens voltarem a circular.

    Leia tudo sobre: incêndiofavela moinhomoradoressolidariedade

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG