Visitantes com ingresso encontram Hopi Hari fechado

Parque ficará fechado por dez dias para que todos os brinquedos sejam periciados; adolescente morreu na atração La Tour Eiffel

AE |

selo

AE
Parque Hopi Hari, com o brinquedo La Tour Eiffel ao fundo, está fechado
Visitantes com passaportes para entrar no Hopi Hari nesta sexta-feira, uma semana após o acidente na atração La Tour Eiffel, que matou Gabriela Nichimura dentro do complexo de diversão localizado em Vinhedo (SP), encontraram os portões fechados. Por meio de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado quinta-feira (1) , a direção do parque e o Ministério Público do Estado de São Paulo fizeram um acordo para manter o local fechado por dez dias, prorrogáveis por mais dez. Nesse período, será feita perícia em atrações que ofereçam riscos aos visitantes.

O empresário Mayko Rei da Silva saiu do Rio de Janeiro acompanhado do filho de 6 anos e de dois sobrinhos, com 10 e 12 anos, para ir ao parque. Ao chegar, foi encaminhado a um balcão de informações onde soube os motivos do fechamento do parque e teve a opção de trocar seus ingressos por dinheiro ou por uma nova data. "É lamentável. Saí do Rio de Janeiro com reservas em hotel e passaportes para os dias 2 e 3. Ontem à tarde telefonei para cá para saber se o parque estava funcionando e me informaram que abriria normalmente", disse.

Dono de uma agência de turismo revendedora dos passaportes para o Hopi Hari, o empresário disse não ter recebido nem um e-mail ou telefonema para suspender a venda dos ingressos. Silva calcula um prejuízo de aproximadamente R$ 2 mil entre diárias, combustível, passaportes, alimentação e pedágio. "Sem contar a frustração. Não tem o que pague ver o filho da gente chorando". Silva fez um pequeno relatório por escrito ao parque, que prometeu uma resposta em até sete dias.

Erro: Hopi Hari diz que cadeira utilizada por menina estava interditada havia dez anos

Na internet: Vídeos mostram cadeira onde Gabriela sentou desocupada

Mãe de Gabriela: 'Coloquei a mão e ela já não respirava'

O dentista Marco Antonio Manzano, de Manaus, estava com a família em São Paulo e cumpria agenda profissional. Aproveitou o aniversário do filho de 11 anos para levar suas três crianças ao Hopi Hari. Mas ontem soube que o parque estaria fechado. "Tínhamos conhecimento, mas como vamos voltar para Manaus, vim pegar meu dinheiro de volta", disse. Manzano foi ressarcido. "Se o parque estivesse aberto eu teria vindo, mas confesso que com muita angústia", afirmou. "O parque perde totalmente a credibilidade depois de uma coisa dessas. Como vou entrar em um brinquedo com tranquilidade sabendo que o que ocorreu não foi fatalidade, mas irresponsabilidade?".

O Hopi Hari informou, por meio de assessoria, que os visitantes com passaportes comprados para o período em que o parque estiver fechado podem pedir seu dinheiro de volta ou a remarcação da visita. Não é necessário ir até o parque, há dois canais pelos quais a solicitação pode ser feita: pelo e-mail fale@hopihari.com.br ou pelo telefone 0300-789-5566. Os pedidos de ressarcimento de despesas extras como pedágio, combustível e outros serão analisados caso a caso.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG