Viroses contraídas no litoral lotam unidades de saúde de SP

Prontos-socorros de alguns dos principais hospitais de São Paulo registraram aumento de até 80% em seus atendimentos

AE |

selo

Prontos-socorros de alguns dos principais hospitais de São Paulo registraram, nas primeiras semanas de janeiro, aumento de até 80% em seus atendimentos em razão de doenças intestinais. As ocorrências começaram na sequência dos surtos de virose que atingiram algumas cidades da Baixada Santista, como Guarujá e Praia Grande.

Pelo menos quatro unidades de Assistência Médica Ambulatorial (AMA), uma Unidade Básica de Saúde, todas da rede pública, e cinco hospitais particulares da capital relatam aumento significativo de pacientes com diarreia e vômitos - cerca de um terço dos locais com os quais o Jornal da Tarde fez contato ontem. Em uma dessas unidades, o Hospital Beneficência Portuguesa, o número de pessoas atendidas nas primeiras semanas de 2011 praticamente dobrou com relação ao mesmo período de 2010.

Na maior parte desses atendimentos, os pacientes passaram as festas de final de ano e o último feriado em cidades litorâneas. “Depois do feriado prolongado, praticamente 100% de nossos
atendimentos foram por causa de viroses”, afirma a pediatra do hospital, Wylma Mariko Hossaka.

O clima quente favorece a proliferação de vírus e bactérias nas superfícies e exige também um maior cuidado no manuseio e conservação de alimentos . “Isso costuma acontecer no verão e em épocas mais quentes. O clima é muito propício para o surgimento dessas doenças”, afirma o infectologista Gustavo Johanson, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

O aumento das viroses nessa época do ano motivou a Prefeitura a criar uma seção especial no
site da Secretaria Municipal de Saúde para alertar a população sobre os cuidados com a alimentação e a higiene. No site , a categoria “É Verão” traz dicas de como comprar peixes, como lavar frutas e legumes e como conservar os alimentos refrigerados.

De transmissão oral, as doenças são adquiridas a partir de alimentos, objetos e, principalmente,
água contaminada com resíduos de fezes, por exemplo. “Quando o tratamento da água não é adequado, a ingestão da bebida pode transportar um agente para o estômago. Esse agente também
pode ser uma bactéria, que causará vômitos e diarreia”, afirma o infectologista do Hospital Igesp, Marcos Antônio Cyrillo.

De acordo com a pediatra e infectologista do Hospital Santa Catarina, Claudia Maria Menezes, o rotavírus é o agente mais comum. “A gente nota uma incidência grande nas crianças que foram à praia ou que tiveram contato com quem viajou. Apesar de mais comum em crianças, entretanto, o vírus não é exclusivamente pediátrico”, explica a médica. As informações são do Jornal da Tarde.

    Leia tudo sobre: virosehospitais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG