Vigia passa por acareação no caso Mércia

Evandro Bezerra Silva, preso na semana passada em Sergipe, foi confrontado com testemunha do caso nesta terça-feira

iG São Paulo |

AE
Evandro Bezerra da Silva chega ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), em São Paulo
A Polícia Civil de São Paulo realizou nesta terça-feira a acareação entre o vigia Evandro Bezerra Silva, que foi preso na semana passada em Sergipe, e uma das testemunhas do assassinato da advogada Mércia Nakashima. Segundo o delegado do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Antonio Olim, responsável pelo caso, o depoimento da testemunha "foi uma mentirada". "Ele queria aparecer para a mídia. Eu já havia percebido que não era verdade o que ele havia dito, por isso decidimos pela acareação", explicou ao iG .

A polícia pretendia esclarecer a participação de Silva e se ele recebeu algum dinheiro pelo crime. "A testemunha ajudou em outros pontos da investigação, mas essa história do dinheiro era mentira", esclarece o delegado.

Para o diretor do DHPP, Marco Antônio Desgualdo, o policial militar aposentado Mizael Bispo de Souza matou a advogada, sua ex-namorada, por achar que estava sendo traído. Segundo Desgualdo, Mizael de Souza ainda premeditou o crime com a ajuda do amigo, o vigia, que já foi indiciado por homicídio. 

Mizael está foragido desde sábado e deve ser indiciado como autor do crime. O Ministério Público pediu nesta segunda-feira a conversão da prisão temporária de 30 dias em preventiva, por tempo indeterminado. As investigações já duram quase dois meses. A testemunha citada pela polícia afirmou em depoimento que foi procurada pelo vigia após a morte de Mércia. O suspeito teria dito que fez uma coisa errada e precisava de dinheiro para fugir.

Entenda o caso

ARQUIVO PESSOAL
Mércia, desaparecida desde o dia 23 de maio
Mércia tinha sido vista pela última vez no início da noite do dia 23 de maio, no bairro Macedo, em Guarulhos, na casa da avó. Depois que a advogada saiu de lá, não fez mais contato com amigos ou a família.

Mércia e Mizael foram sócios e namorados. Em entrevista ao iG, a irmã de Mércia, Claudia Nakashima, disse que o namoro dos dois foi marcado por idas e vindas e muitas brigas. Quando estava com ele “Mércia era outra pessoa”. “Ela não podia falar com ninguém, vizinhos do prédio até falam que quando ela estava sozinha no elevador cumprimentava; quando estava com ele, abaixava a cabeça”, diz Cláudia.

No dia do sumiço de Mércia, o advogado diz que foi visitar a filha e um irmão, com quem almoçou e, depois, saiu com uma garota de programa. Um fato que complica a situação de Souza é que o rastreador do carro dele mostrou que das 18h40 às 22h38 ele ficou estacionado em frente ao estacionamento do Hospital Geral de Guarulhos, em uma rua a menos de cinco minutos da casa da avó de Mércia.

No dia 11 de junho, um pescador encontrou o corpo de Mércia boiando em uma represa de Nazaré Paulista. No mesmo local, um dia antes, homens do Corpo de Bombeiros de Atibaia já tinham localizado o veículo da advogada, com todos os pertences dela dentro.

*Com informações da Agência Estado

    Leia tudo sobre: MérciaMizaelassassinato

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG