Unidades em Cubatão devem sair no 1º semestre

Coordenador de programa afirma que até 2012 cerca de R$ 1 bilhão serão investidos em construções para ex-moradores da Serra do Mar

Matheus Pichonelli, iG São Paulo |

O coronel Elizeu Eclair Teixeira Borges, coordenador do programa de recuperação sócio-ambiental da Serra do Mar e Mosaicos da Mata Atlântica, afirma que a situação das moradias irregulares na região, especialmente em Cubatão, é uma “bomba-relógio” que, em outros tempos, já provocou tragédias. Hoje, há um acompanhamento da situação, mas os riscos, afirma, são inegáveis. “Nas chuvas de 1997 e 1998, 11 pessoas morreram por causa das chuvas”, afirma ele.

Eduardo Bandelli
Casas desmontadas entre barracos ainda habitados na Serra do Mar

Ele diz que o programa prevê investimentos em novas moradias, transferência de famílias, demolição de casas, limpeza de entulhos e replantio e reurbanização da área. Entre 2007 e 2012, os custos totais do projeto serão de cerca de R$ 1 bilhão – dos quais R$ 600 milhões já foram licitados.

O coordenador afirma saber da necessidade de se reconduzir moradores das áreas para lugares próximos. Quem mora no Pinhal dos Miranda, por exemplo, quer ser transferido para residenciais construídos em Cubatão, onde as primeiras unidades devem ser entregues ainda neste semestre. Ao todo, o programa terá 3.600 unidades habitacionais para atender os moradores de Cubatão que hoje vivem em áreas de risco. No projeto estão previstas construções de escolas e postos de saúde, duplicação de viadutos e instalação de novas linhas de ônibus.

“Não precisa ser técnico para saber que a situação é complicada. Mas temos uma série de estudos e a área está mapeada antes mesmo de acontecerem as tragédias de Santa Catarina e do Rio”.

    Leia tudo sobre: chuvasSerra do Maráreas de risco

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG