Umidade cai para 15% e São Paulo tem dia mais seco do ano

Defesa Civil decretou estado de alerta na capital paulista

iG São Paulo |

selo

A cidade de São Paulo ficou em estado de alerta por conta do baixo índice de umidade relativa do ar, que chegou a cerca de 15% no período da tarde desta sexta-feira, segundo a Defesa Civil municipal. Esse foi o dia mais seco do ano, superando índices já registrados nesta semana.

De acordo com o órgão, o estado de alerta retornou para observação às 18 horas, pois a tendência é que o índice da umidade do ar aumente com a chegada da noite. Além do ar seco, a dispersão dos poluentes fica prejudicada com a baixa umidade. 

AE
Camada de poluição na região do Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital paulista, nesta sexta-feira
Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), o estado de alerta é considerado quando a medição do índice de umidade relativa do ar está entre os 12% e 20%. Abaixo dos 12%, já é considerado estado de emergência. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), índices inferiores a 60% não são adequados para a saúde humana.

Nesses dias mais secos, a recomendação da Defesa Civil é que a população evite, das 10 horas às 17 horas, atividades ao ar livre e exposição ao sol e não pratique exercícios entre as 11 horas e 15 horas. É aconselhável a ingestão constante de líquido para evitar a desidratação.

A Defesa Civil alerta ainda às pessoas para que não coloquem fogo em terrenos baldios e vegetação seca, pois a baixa umidade relativa do ar pode aumentar as chances de incêndio nas pastagens e florestas.

Nos meses em que ocorrem poucas chuvas é comum que a umidade do ar fique reduzida, o que causa um aumento nos níveis de dióxido de enxofre e material particulado, devido às piores condições de dispersão. Isso propicia o surgimento ou agravamento de doenças respiratórias, cardiovasculares e oculares.

Sem medidas preventivas, podem ocorrer os seguintes sintomas:
1.Dores de cabeça e irritação nos olhos, nariz, garganta ou na pele;
2.Aumentam os riscos de transmissão de doenças respiratórias;
3.Aumenta o risco de desidratação;
4.Garganta seca, voz rouca, inclusive com possibilidade de inflamação da faringe;
5.Rompimento de vasos do nariz, provocando sangramento;
6.Maior facilidade de se contrair conjuntivite viral, alérgica e síndrome do olho seco.
7.O aumento de poluentes causa aumento da pressão arterial, arritmia cardíaca, por isso, infartos são mais suscetíveis, principalmente em quem já tem problemas cardiovasculares.

De acordo com os meteorologistas do Centro de Gerenciamento de Emergências da Prefeitura (CGE), o tempo continua seco e estável nos próximos dias. O sol predomina com temperaturas baixas nas madrugadas e em rápida elevação no decorrer do dia. As mínimas oscilam em torno dos 10ºC, e as máximas podem superar os 28ºC. Persistem os problemas com os baixos índices de umidade relativa, dispersão de poluentes e qualidade do ar na Grande São Paulo.

* com informações da Agência Estado

    Leia tudo sobre: umidadesão pauloalerta

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG