Suspeito confessa participação no crime de estudante da FGV

Vídeo mostra um dos atiradores relatando participação na morte de Júlio Bakri

iG São Paulo |

nullO suspeito pela morte de Júlio César Grimm Bakri, de 22 anos, estudante da Fundação Getúlio Vargas (FGV), confessou na terça-feira ter participado do crime. Francisco da Silva, de 22 anos, e o irmão, Valmir da Silva, de 19, teriam realizados disparos contra dois alunos da faculdade que estavam em um bar.

Francisco conta que estava em outro bar quando o irmão chegou de moto e disse que precisava da ajuda dele para resolver um problema. Segundo o jovem, o irmão disse que havia sido chamado de “otário”.

Já na garupa da moto, Francisco disse ter recebido de Valmir um revólver e perguntou para o que seria. O irmão respondeu que ele logo saberia. Ao chegar no bar, Valmir apontou a mesa onde estavam os estudantes. Depois disso, eles começaram a atirar.

Francisco negou que o crime tenha sido motivado por ciúmes e insistiu que o motivo foi uma ofensa.
Durante os disparos, ele foi baleado. As imagens da câmera de segurança mostram o momento em que ele e o irmão chegaram ao hospital. Ele foi colocado em uma cadeira de rodas e levado para o centro cirúrgico. Depois de atendido, ele foi preso por estar com munição. Valmir conseguiu fugir. A polícia acredita que o irmão foragido esteja com as armas usadas no crime.

Na quarta-feira, o estudante Christopher Tominaga, um dos atingidos, foi transferido da UTI para um quarto, e agradeceu ao apoio dos amigos . Segundo a assessoria de imprensa do hospital, o estado de saúde do jovem é estável.

Prisão

Na segunda-feira, a Polícia Civil de São Paulo divulgou a identidade dos dois principais suspeitos pelos disparos contra os dois alunos da Fundação Getúlio Vargas. Segundo o delegado seccional do centro de São Paulo, Kleber Altale, Francisco Macedo da Silva, de 24 anos, e seu irmão, Walmir Venturi da Silva, de 19 anos, teriam disparado contra os dois jovens por eles terem abordado a namorada de Walmir.

Francisco da Silva foi encontrado no domingo pelos policiais do 4ºDP no hospital da Vila Alpina, onde já estava detido, após ter dado entrada com um ferimento na perna na semana passada. Ele é acusado de posse ilegal de armas por ter cartuchos no bolso. Ele teria confessado o crime. Walmir, que tem passagem por roubo e furto, segue foragido e a polícia acredita que ele tenha ido para Foz do Iguaçu, no Paraná.

Engano

Dino Fernando Peporine , de 28 anos, que foi detido na sexta-feira, passou duas noites na cadeia e teve a prisão preventiva decretada por envolvimento no crime, saiu da carceragem do 77.º DP (Santa Cecília) na tarde de domingo. Ele foi levado ao Instituto médico-legal (IML) para fazer exame de corpo de delito. Recebeu informações de um policial que o caso havia dado uma reviravolta e que ele seria libertado. Às 17h50, estava solto.

    Leia tudo sobre: mortealunoFGVSão Paulo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG