Segundo equipe de segurança do Shopping Ibirapuera, ao menos cinco homens participaram do crime

Fachada da joalheria São Rolim, no shopping Ibirapuera, zona sul de São Paulo, que foi assaltada
AE
Fachada da joalheria São Rolim, no shopping Ibirapuera, zona sul de São Paulo, que foi assaltada
Uma câmera instalada bem em frente à entrada da relojoaria S. Rolim, no Shopping Ibirapuera, na zona sul da capital, flagrou a ação do grupo armado que assaltou a loja na noite de sábado e fugiu correndo pelas escadarias. De acordo com a equipe de segurança do shopping, as imagens permitem concluir que ao menos cinco homens participaram do crime e torna possível a identificação dos assaltantes.

Além da câmera da porta da relojoaria, outras que estão espalhadas pelos corredores do shopping ajudaram a registrar o assalto e a fuga dos bandidos. O material deverá ser entregue à polícia na segunda-feira.

Os vídeos vão mostrar que os assaltantes não enfrentaram dificuldades para roubar a relojoaria. Embora a loja contasse com seguranças próprios, além dos fornecidos pelo shopping, nenhum deles tinha autorização para deter os criminosos, que estavam armados.

A orientação da administração do Ibirapuera para casos como este é não entrar em confronto direto com os bandidos para evitar que um eventual tiroteio possa vitimar frequentadores do local. Por isso, os seguranças apenas escoltaram os ladrões até a saída, protegendo os clientes.

A facilidade com que os assaltantes conseguiram realizar o crime e fugir já assusta funcionários de outras relojoarias. "A gente se sente inseguro porque, na hora H, vê que o segurança não pode fazer nada", conta a vendedora de uma joalheria vizinha à S. Rolim.

Ao todo, o Shopping Ibirapuera abriga 21 relojoarias e joalherias. Cada uma possui uma câmera de segurança na porta de entrada. Depois do crime, três joalherias fecharam as portas neste domingo. A S. Rolim também ficou sem funcionar até as 16h, mas depois voltou a atender o público. Os funcionários não quiseram falar com a reportagem.

Hoje, o shopping funcionava normalmente. As famílias passeavam pelos corredores, em um clima que contrastava com a tensão do dia anterior. O Shopping Ibirapuera afirma que não houve tumulto durante o assalto. Mas os funcionários negam.

A vendedora de uma das lojas vizinhas à S. Rolim conta que na hora do roubo as pessoas começaram a gritar "ladrão! ladrão!" e se esconderam dentro das lojas. "Foi um corre-corre danado, porque os bandidos passaram com a arma na mão e o pessoal se assustou", conta a mulher. "Era sábado à noite, o shopping estava lotado, cheio de criança. Não era para ficar com medo?"

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.