Sindicato faz protesto contra trabalho escravo na rede Pernambucanas

Ministério Público do Trabalho entrou com uma ação contra a empresa após constatar trabalho semelhante à escravidão pelos 200 fornecedores têxteis das lojas

Agência Brasil |

O Sindicato dos Comerciários de São Paulo fez uma manifestação em frente a uma loja da rede Pernambucanas, no centro da capital paulista, nesta quinta-feira. Segundo o presidente do sindicato, Ricardo Patah, o protesto objetivou chamar a atenção da população para as denúncias de trabalho semelhante à escravidão na cadeia produtiva da rede. “Nós temos esse compromisso, em toda e qualquer situação que aparenta situações graves como essa, de fazer manifestações para conscientizar a sociedade”, disse.

Como as Pernambucanas se recusaram a assinar um termo de ajuste de conduta (TAC), o Ministério Público do Trabalho (MPT) entrou, na semana passada, com uma ação civil pública contra a empresa. De acordo com a autora da ação, a procuradora Valdirene Silva de Assis, as investigações feitas, entre agosto de 2010 e março de 2011, constataram o uso sistemático do trabalho semelhante à escravidão pelos 200 fornecedores têxteis das lojas.

Denúncias: Aumentam denúncias de trabalho escravo em 2011

No Pará: Justiça decreta prisão de fazendeiro por trabalho escravo

Zara: Trabalho escravo em confecções será investigado por CPI

Os fornecedores, de acordo com o MPT, contratam pequenas oficinas para confeccionar as roupas encomendadas pela rede. “Esse modo de produção é uma forma de tentar eximir o dono da cadeia produtiva da sua responsabilidade”, ressaltou o a procuradora. Nesses locais, os trabalhadores, na maioria bolivianos, cumprem jornadas de até 16 horas [de trabalho], em condições insalubres, com pagamentos irrisórios. Na última fiscalização feita em uma dessas oficinas, 16 pessoas foram libertadas, incluindo dois adolescentes.

O MPT aguarda agora a resposta do pedido de tutela antecipada feito na ação judicial. Caso a solicitação seja aceita, as Pernambucanas terão que agir imediatamente para impedir as irregularidades na cadeia produtiva. “O essencial é que coíba desde o início a prática do trabalho escravo. Impeça a contratação de trabalhadores em situação irregular no País. E que zele pelo ambiente, tanto de trabalho, como alojamento desses trabalhadores e suas famílias”, ressaltou Valdirene.

A rede Pernambucanas informou, por meio de nota, que já adota uma série de procedimentos para coibir práticas irregulares de seus fornecedores. A empresa sustenta que tem “uma equipe interna de auditores que trabalham com dedicação exclusiva na avaliação das práticas adotadas por seus fornecedores; nessa frente, também conta com serviços de certificação de entidades reconhecidas nacional e internacionalmente”.

Segundo o comunicado, a rede deixou que a situação fosse levada à esfera judicial para “manter íntegro o seu entendimento dos fatos”.

    Leia tudo sobre: trabalho escravopernambucanassindicatoprotestosão paulo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG