Prédio localizado avenida Ipiranga estava ocupado desde o início de outubro. Ação da PM cumpriu decisão judicial

As cerca de 1.200 pessoas, entre elas 373 crianças, que invadiram e ocupavam desde o dia 4 de outubro um prédio da Avenida Ipiranga, região central de São Paulo, deixaram o edifício nesta quinta-feira. A medida cumpriu decisão judicial de reintegração de posse.

Cerca de 1.200 pessoas, entre elas 373 crianças, que invadiram prédio em SP, protestam
Futura Press
Cerca de 1.200 pessoas, entre elas 373 crianças, que invadiram prédio em SP, protestam

Segundo o major da Polícia Militar Fernando Antonio Melo, a remoção foi feita de maneira pacífica, mas a retirada foi lenta pois havia entre os sem-teto muitas crianças, idosos e gestantes. "A operação foi dividida em três estapas: primeiro reunimos as lideranças do movimento Frente de Luta por Moradia (FLM), para alinharmos como seria a reintegração, para que não houvesse nenhuma ocorrência, nem tumulto; depois foram retiradas primeiro as crianças e idosos, na sequência o restante das pessoas; e por fim, fizemos a varredura do local, para sabermos se não ficou ninguém escondido lá dentro, e entregarmos o prédio aos proprietários."

As famílias de sem-teto, coordenadas pela FLM, tentaram na terça-feira, junto ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), suspender a reintegração, mas não conseguiram.

O prédio invadido e que estava abandonado pertence, segundo os invasores, à HM Engenharia, que faz parte do grupo Camargo Corrêa. Conforme nota da FLM, "no prédio, que estava abandonado abrigando ratos, baratas e lixo, se encontravam 1.200 pessoas e, desde a ocupação, tinha cheiro de limpeza e da comida que era preparada na cozinha coletiva no primeiro andar".

Mulher chora ao ter que deixar prédio invadido
AE
Mulher chora ao ter que deixar prédio invadido

Trânsito

Devido à operação policial de reintegração, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) aconselhou aos motoristas que evitassem a Avenida Ipiranga, entre as avenidas São João e Rio Branco. A operação ocupou duas faixas do local.

De acordo com a CET, motoristas que utilizavam a pista da direita da Avenida Ipiranga deviam seguir pela Avenida Rio Branco (sentido bairro), fazer o retorno na Praça Princesa Izabel, Avenida Rio Branco (sentido centro), Largo do Paissandu e seguir pela Avenida São João para voltar à Avenida Ipiranga.

*Com informações da Agência Estado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.