Durante período de negociação salarial, marronzinhos priorizam educação aos motoristas em vez de multar. Redução de autuações chega a 60%, diz sindicato

Com uma proposta salarial geral de 15% e de 20% para o piso da categoria, os 2 mil agentes da Companhia de Engenharia e Tráfego (CET) continuam atuando em modo "operação-padrão" reduzindo as autuações na capital paulista. De acordo com a diretora de comunicações do sindicato responsável pelas negociações, Marina Retaneiro, após negar a proposta da categoria em assembleia na quarta-feira (17), a CET diz estar "estudando as consequências ao orçamento do órgão". A proposta de reajuste salarial da empresa é de 5%.

Como a diretoria não cedeu em suas propostas de reajuste, um novo encontro será realizado na próxima terça-feira (23). A operação-padrão dos agentes consiste em priorizar orientação aos motoristas em vez de multar. "Não é que deixamos de multar, porém em casos com menor gravidade, os agentes apontam o erro e educam o motorista sem notificá-lo", explica Marina.

De acordo com os números do Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Viário de São Paulo (Sindviários), durante a semana de paralisação, houve uma redução de 60% nas autuações em São Paulo. Casos como estacionar em local proibido, não usar o cinto de segurança e utilizar o celular ao volante são vistos com tolerância pelos agentes nesse período de negociações.

Outro ponto ressaltado pela diretora é a insuficiência de agentes na capital. "São 2 mil marrozinhos para toda a cidade autuando em turnos variados e em esquema de hora extra. Alertamos os funcionários para que não aceitem mais esse regime, forçando a CET a contratar mais funcionários", diz.

CET

Em nota, a CET afirmou que segue acompanhando o trabalho dos agentes em campo "para garantir a normalidade da operação do trânsito". Além disso, o órgão afirma que o Programa de Proteção ao Pedestre, em atuação desde maio deste ano, não será afetado.

Na quarta-feira, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, afirmou ainda que defende o diálogo com os agentes . Kassab, porém, ponderou que a prefeitura não pode abrir mão de exigir que seus funcionários cumpram seus deveres. "Em momentos como este, de negociação, os funcionários sabem que têm limite", disse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.