Se houver greve, Metrô terá de manter pelo menos 70% da frota em SP

Segundo o Tribunal Regional do Trabalho, metroviários terão de manter até 90% da frota em funcionamento nos horários de pico

AE |

selo

Ainda que os metroviários entrem em greve a partir desta quarta-feira , pelo menos 90% da frota terá de ser operada durante os horários de pico e 70% nos demais horários. A decisão foi tomada pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT) nesta tarde, durante audiência realizada entre a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) e o Sindicato dos Metroviários para tentar negociar a greve proposta pelos trabalhadores. 

A audiência acabou sem acordo. Os metroviários farão uma assembleia às 18h30 para definir os rumos da greve, que está prevista para começar a 0h. O sindicato exige reajuste de 10,79%, produtividade de 13,80%, reajuste de 13,90% para o vale-refeição, aumento do valor da cesta básica e do vale-alimentação para R$ 311,09, equiparação salarial e plano de carreira, PPP para aposentadoria e plano de saúde para os aposentados, participação nos resultados igualitária, licença-maternidade de seis meses e anistia aos demitidos. Eles também são contra a privatização das linhas 4 e 5. 

Na tarde de hoje, o Metrô ofereceu reajuste salarial de 6,39% mais 1,3% de aumento real, o que significa um ganho de 7,77% sobre os salários atuais. Além disso, a companhia reajustou o valor do vale alimentação em 50%, passando ao valor de R$ 150, e fez algumas concessões, como auxílio transporte no caso de metroviários residentes fora da cidade de São Paulo, ampliação do auxílio-creche e aumento no tempo da licença maternidade, que subiria de quatro para seis meses. 

CPTM

Ainda nesta tarde, o TRT realiza audiência sobre ação cautelar ajuizada pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), noticiando a paralisação dos trabalhadores representados pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo; Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil; Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana e Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo. Até as 17h, essa audiência ainda não havia sido concluída.

    Leia tudo sobre: NACIONALGERAL

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG