São Paulo proíbe mercúrio na rede estadual de Saúde

Estabelecimentos estarão impedidos de comprar ou adquirir dispositivos de medição de temperatura que contenham o produto químico

Agência Estado |

selo

A Secretaria da Saúde de São Paulo proibiu a compra de qualquer equipamento contendo mercúrio pelos hospitais, ambulatórios e demais serviços de saúde ligados à pasta em todo o Estado. Uma resolução deverá ser publicada ainda neste mês no Diário Oficial do Estado.

Com a medida, os estabelecimentos estarão impedidos de comprar ou adquirir dispositivos de medição de temperatura ou pressão, tais como termômetros, esfigmomanômetros e similares que contenham o produto químico.

Para uso odontológico, só será permitida a aquisição de mercúrio pré-dosado e pré-acondicionado, em cápsulas seladas. Nesses casos, o metal só poderá ser preparado em aparelhos amalgamadores apropriados para tal fim, que não impliquem a abertura prévia das cápsulas seladas. Os estabelecimentos terão de fazer a troca dos equipamentos já existentes.

A partir de 2012, todos os hospitais da rede pública estadual de saúde não poderão utilizar ou armazenar dispositivos de medição de pressão ou temperatura contendo mercúrio, bem como o metal para uso odontológico que não seja em cápsulas seladas.

"O uso de dispositivos contendo mercúrio implica risco à saúde dos trabalhadores e dos pacientes em caso de acidentes, bem como potenciais impactos ao meio ambiente. Por isso, estamos dando um primeiro passo para banir este componente dos hospitais paulistas, começando pelas unidades de saúde estaduais," explica Nilson Ferraz Paschoa, secretário de Saúde.

    Leia tudo sobre: SaúdeSão Paulo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG