São Paulo pode se tornar um polo mundial de saúde

Levantamento mostra que, apesar da boa notícia, cidade ainda sofre com carência demanda reprimida de atenção básica em saúde

AE |

selo

A cidade de São Paulo reúne todos os requisitos para se tornar um polo mundial de atividades ligadas às ciências da vida humana. Com 15,4% dos pesquisadores brasileiros na área de medicina, responde por 30,3% da produção científica nacional.

Além disso, abriga 10 mil empresas do setor e contribui com 12,8% das internações para procedimentos de alta complexidade no Sistema Único de Saúde (SUS).

Os dados são de um levantamento da Fundação Seade que será divulgado hoje (17). Mas o relatório também enumera os principais problemas enfrentados pelo setor na cidade: carência na oferta de serviços para determinados problemas de saúde, demanda reprimida de atenção básica que sobrecarrega hospitais universitários, falta de contato entre academia e indústria, etc.

Dezenas de profissionais de institutos de pesquisa, universidades, agências de fomento e empresas foram entrevistados para traçar o diagnóstico das atividades em ciências da vida, encomendado pela Prefeitura.

Até agora, o setor caminhou sem uma política pública coordenada. "Para criar uma política assim, é necessário primeiro mapear o que existe", afirma Maria Aparecida Orsini de Carvalho, assessora especial da Prefeitura. "Com o levantamento pronto, podemos traçar estratégias para potencializar o setor."

O objetivo é fomentar iniciativas semelhantes ao Biopolo de Lyon, na França, ou o Aglomerado de Ciências da Vida de Montreal, no Canadá: projetos de expressão internacional, conduzidos por governos, que transformam ideias em riqueza. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: São Pauloserviços de saúde

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG