São Paulo perde 63,3% dos estrangeiros em duas décadas

Dados são do IBGE e refletem mudança no perfil de atração internacional do Brasil

AE |

selo

Foi graças aos imigrantes que São Paulo se tornou o maior Estado do Brasil, em termos populacionais e econômicos. O território paulista representou o principal destino dos mais de 6 milhões de estrangeiros que chegaram ao País nos séculos 19 e 20. Mas, nas últimas duas décadas, essa tendência se inverteu. Desde 1991, o número de estrangeiros que residem em São Paulo caiu de 337,4 mil para 206,6 mil - uma queda de 63,3%.

Especial: Veja como vivem e onde moram os estrangeiros no Brasil

Os dados são do Censo Demográfico de 2010, coletados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo especialistas, eles refletem uma grande mudança no perfil da atração internacional do Brasil.

"Os locais hoje procurados para a imigração mudaram, há uma distribuição espacial maior dos estrangeiros pelo País. Não é só mais Rio e São Paulo que oferecem as melhores oportunidades", diz o professor Duval Magalhães, doutor em Demografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). "Além disso, tem o fato de que o estoque de imigrantes de lugares como São Paulo está acabando. Os italianos e japoneses que vieram no outro século ou são idosos ou já morreram." 

Em São Paulo, a cidade tradicionalmente com mais mistura de raças e etnias do Brasil, isso se reflete em um esvaziamento das antigas colônias. A presidente da Associação Cultural Brasil-Líbano, Lody Brais, conta que a enorme colônia de libaneses no País, concentrada especialmente em São Paulo, sente cada vez mais a queda de imigrantes recentes.

"A quantidade de gente vindo para cá diminuiu muito. Hoje os jovens libaneses migram principalmente para o Oriente Médio e para a Austrália, para onde já vão com emprego garantido. Não vêm mais para tentar a vida", afirma.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG