Projeto para SP 'pós-Minhocão' divide especialistas

Estudiosos concordam que obra é uma "cicatriz" da capital, mas citam avaliações distintas sobre soluções propostas pela prefeitura

Matheus Pichonelli, iG São Paulo |


O Elevado Costa e Silva, obra viária que liga o centro à região oeste de São Paulo conhecida como Minhocão, é uma cicatriz no coração da metrópole, fator de degradação e poluição urbana e, embora ainda seja importante para o tráfego na capital, um dia terá que ser demolido. A avaliação é unânime entre especialistas ouvidos pelo iG no dia em que o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), anunciou a intenção de promover a demolição da avenida que hoje passa rente a janelas de apartamentos desvalorizados e que já provocou a debandada de moradores da região central.

Leandro Meireles Pinto, iG São Paulo
Minhocão foi construído em 1971, na gestão Maluf

As expectativas diante das propostas feitas pelo governo para a região, no entanto, são diversas. Isso porque, para que São Paulo um dia se veja livre de sua “cicatriz”, será necessário pensar em soluções para outros problemas que o tornam ainda uma das principais vias da capital paulista. Em xeque está o objetivo de levar a bairros como Lapa e Brás transformações urbanísticas ao longo da orla ferroviária hoje existente na região central, como propõe o prefeito. As mudanças nessas regiões fazem parte do projeto Operações Urbanas, instrumento para adensar áreas e incentivar o mercado imobiliário na capital.

É sobre a efetividade desse projeto que os especialistas destoam em suas análises. Confira, abaixo, as avaliações feitas pelos estudiosos sobre as mudanças projetadas pela prefeitura para a região:


Modelo de melhorias é falácia, diz urbanista

Para especialista, mudanças são caras e levarão até 15 anos

Engenheiro diz que fim do Minhocão será estímulo para transporte em SP

    Leia tudo sobre: Minhocãourbanismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG