Polícia trabalha com duas hipóteses em caso de aluno que atirou em professora

A delegada Lucy Mastellini Fernandes investiga se menino de 10 anos tinha a intenção de matar a professora ou se foi uma brincadeira que terminou mal

Fernanda Simas, iG São Paulo |

A delegada Lucy Mastellini Fernandes, do 3º Distrito Policial de São Caetano, trabalha com duas linhas de investigação sobre o caso do menino D.M.N., que atirou contra a professora Rosileide Queiros Oliveira e, em seguida, se matou dentro da escola municipal Professora Alcina Dantas Feijão. Uma hipótese é de que o crime tenha sido premeditado e outra de que foi uma “brincadeira que não teria dado certo”.

Leia também: Família de garoto que se matou quer pedir desculpas para professora

Nesta segunda-feira, a diretora da escola, Márcia Gallo, prestou depoimento e, segundo Lucy, contou que foi informada da possível brincadeira. Depois do crime, um aluno da sala de D.M.N. teria pedido aos pais para retornar à escola e conversar com a psicóloga. Para ela, teria dito que tudo foi uma brincadeira que não deu certo.

Na semana passada, outro aluno da sala de D.M.N. deu uma versão contrária e disse que o menino teria contato que tinha a intenção de matar a professora. A delegada explica que vai ouvir a psicóloga da escola e os colegas de turma de D.M.N. nos próximos dias para saber o que o menino disse aos colegas e checar as duas versões.

Outros depoimentos

Ainda nesta semana, vão prestar depoimento a professora ferida, Rosileide, e o guarda civil municipal Milton Nogueira, pai de D.M.N. Lucy afirma que vai ouvir o irmão de D.M.N para saber se ele sabia que o menino havia pegado a arma do pai ou se desconfiava de alguma coisa.

Professora ferida

A professora Rosileide Queiros Oliveira continua internada no Hospital das Clínicas e seu estado de saúde é estável. Na sexta-feira (23), ela deixou a UTI e foi para o quarto. Também foi atendida por um ortopedista porque estava se queixando de dor no joelho esquerdo. Foi constatada uma fratura na patela, que pode ter sido causada durante sua queda que sofreu após ser atingida pelo tiro.

    Leia tudo sobre: alunoprofessoratirosmortesão caetanodepoimentos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG