Polícia prende suspeita de matar os pais em Alphaville (SP)

Advogada de 29 anos é suspeita de planejar a morte dos pais com o marido para ficar com a herança. Casal foi morto a facadas

iG São Paulo |

A Polícia Civil de São Paulo prendeu, por volta das 7h desta quarta-feira, a advogada Roberta Tafner, de 29 anos, suspeita de planejar com o marido, Willian Souza, de 33 anos, a morte dos próprios pais, Wilson Roberto Tafner, de 68 anos, dono de uma firma de representações, e Tereza Maria Nogueira Cobra, de 60 anos, advogada.

Arquivo pessoal
Advogada Roberta Tafner e o marido Willian Souza teriam matado os pais dela para ficar com seguro de vida e herança
Os dois foram assassinados no dia 2 de outubro em casa, localizada no Condomínio das Acácias, no bairro nobre de Alphaville, em Santana do Parnaíba, Grande SP. O empresário recebeu dez facadas, enquanto a advogada levou 18, principalmente no rosto e cabeça.

Segundo informações da Secretária de Segurança Pública (SSP), Roberta e William foram detidos para prestar esclarecimentos, já que um laudo apontou sangue na casa do casal. Ainda não há informações se eles foram incidiados.

Em entrevista concendida ao iG no dia 4 de novembro, o delegado Zacarias Katzer Tadros, da Seccional de Carapicuíba, responsável pela invetsigação do casao, já havia afirmado que existiam "fortes evidências" contra os dois .

Coisas de valor não foram roubadas, o que fez a polícia descartar a hipótese de latrocínio. "Não foi subtraído nada de valor da casa. Tinha um netbook em cima da mesa e mil e poucos reais no bolso do Wilson. Nada foi levado. Os criminosos foram exatamente para matá-los” afirma Trados. “Foi um homicídio planejado”.

Segundo Tadros, a motivação do crime seria patrimonial. Os dois tinham bens, imóveis e um seguro de vida de R$ 1 milhão que beneficiaria Roberta. Pouco antes do crime, Roberta e a mãe haviam brigado por conta do desaparecimento de dinheiro do escritório onde trabalhavam e estavam sem se falar. A filha teria começado então a pedir 30% das empresas do pai.

Arquivo pessoal
Wilson Tafner e Tereza Cobra foram brutalmente assassinados dentro de casa
O crime

Mesmo divorciados, Wilson e Tereza mantinham um bom relacionamento. Na noite do dia 1º de outubro, uma sexta-feira, haviam jantado na casa de amigos. Ao voltar para casa, por volta de 0h15, foram atacados. Wilson já estava na cama quando foi morto com dez facadas no rosto e uma na cabeça. Ele também tinha uma fratura em um osso do pescoço e, segundo o delegado, se não morresse pelos golpes, morreria sufocado.

Tereza, que dormia no quarto ao lado, ao ouvir os gritos do ex-marido, levantou e também foi recebida com facadas. “Tudo indica que foi uma ação rápida e que Tereza reagiu violentamente, lutou com o agressor. Ela tinha cortes nas mãos”, explica o delegado.

A brutalidade dos assassinatos impressionou até mesmo investigadores e o delegado, acostumados a lidar diariamente com casos de violência. “O criminoso queria desfigurar as vítimas. É próprio de um crime por vingança ou raiva”.

Depois da chegada da polícia e antes da realização da perícia a cena do crime foi alterada, de acordo com o delegado. A informação é baseada em fotos feitas por policiais. “Willian e Roberta determinaram que os empregados lavassem o local e ateassem fogo nos objetos com sangue”, disse Tadros.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG