Polícia prende marido de suspeita de integrar a 'gangue das loiras'

Vagner foi preso com 4 documentos de identidade diferentes da mulher; uma das vítimas o reconheceu e a polícia diz que ele pode ser um "novo Clyde"

Fernanda Simas, iG São Paulo |

Divulgação
A mulher que se apresentava como Silmara Lan, suspeita de integrar a gangue das loiras'
A Polícia Civil de São Paulo prendeu um homem chamado Vagner e a Secretaria da Segurança Pública anunciou que se tratava do líder da ‘gangue das loiras’, Wagner Gonçalves. A quadrilha atuava em roubos a condomínios e sequestros relâmpagos .

Depois, o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) afirmou que trata-se de Vagner Dantas da Silva, marido de uma das loiras suspeitas, Lilmara Valezin, que se apresentava como Silmara Lan. O Lan era usado porque ela e o marido possuem uma lan house.

Vagner foi preso no carro do seu cunhado, no bairro Campos Elíseos, com três documentos de identidade diferentes da mulher e uma carteira de habilitação. Os documentos eram originais e de épocas próximas: junho de 2001, julho de 2002 e dezembro de 2002. Vagner chegou ao DHPP por volta das 17h20 e disse ser inocente. Segundo policiais, ele disse que estava indo para o Nordeste onde supostamente sua mulher está.

A polícia investiga a participação dele na gangue. Uma das vítimas reconheceu Vagner em uma foto. Ele está sendo interrogado.

Divulgação
Documentos de identidade de Lilmara Valesin

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Alberto Pereira Matheus Junior, os crimes sempre eram cometidos por uma dupla. “O homem era sempre o mesmo e as mulheres se revezavam”, afirmou Junior. Em entrevista coletiva dada na terça-feira, delegado disse que Wagner era considerado o 'Clyde', e as loiras, Bonnie, em referência ao famoso casal criminoso norte-americano da década de 30.

"Ele [Vagner preso nesta quarta-feira] pode ser um novo Clyde", disse o delegado Alberto Pereira Matheus Junior, em referência ao modo como os integrantes do grupo se chamavam. A polícia ouviu dez testemunhas nesta quarta.

No dia 9 deste mês, uma das loiras do grupo, Carina Geremias Vendramini, 25 anos , foi presa em seu apartamento em Curitiba. Agora a polícia busca seis suspeitas de participar dos crimes - o líder, Wagner Gonçalves; a irmã de Carina, Vanessa Geremias Vendramini; a única morena do grupo, Monique Awoki Casiota; e as loiras Franciely Aparecida P. dos Santos, Priscila Amaral e Lilmara Valezin.

Leia também: Loiras da gangue eram amigas em redes sociais

A quadrilha atuava desde 2008 e migrou dos roubos de condomínios para sequestros relâmpagos por volta de 2009. Os alvos eram sempre mulheres, preferencialmente loiras, geralmente abordadas em estacionamentos de shoppings e supermercados. Enquanto Wagner dirigia com a refém, uma das loiras, sempre bem vestida, realizava compras e saques com o cartão de crédito e documentos da vítima.

Divulgação
Integrantes da 'Gangue das Loiras', que realizava sequestros relâmpagos em São Paulo


Na terça-feira, a polícia divulgou imagens da ação da gangue. De posse dos cartões de crédito das vítimas, as loiras agem com tranquilidade ao fazer compras em lojas de shoppings centers. Entres os vídeos divulgados também há uma filmagem de um roubo a condomínio, onde uma delas espera o final da ação no lado de fora, e um saque de R$ 3,5 mil reais de uma agencia bancária de um shopping center. Veja as imagens abaixo :

    Leia tudo sobre: gangue das loiraslíderprisão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG