Polícia prende dois e recupera 30 joias roubadas da Tiffany

Comerciantes foram presos por receptação e venda das joias roubadas de loja do Shopping Cidade Jardim, no ano passado

iG São Paulo |

AE
Joias recuperadas apresentadas pela polícia nesta quarta-feira
Agentes do Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic), da Polícia Civil do Estado de São Paulo, prenderam na última sexta-feira, dia 4, duas pessoas acusadas de serem responsáveis pela receptação das joias roubadas da Tiffany & CO, do Shopping Cidade Jardim, na zona sul de São Paulo, assaltada em maio do ano passado. A comerciante chinesa Cheng Chumee, de 35 anos, e o comerciante Nelson José da Silva, de 51, foram presos com cerca de 30 peças roubadas. Na época do roubo, a Tiffany informou que 72 joias foram levadas.

Segundo a polícia, a equipe de investigação recebeu informações sobre o envolvimento de Silva com as peças roubadas. Após ser detido em Santos, ele confirmou a posse em depoimento e levou os policiais ao local onde as peças estavam escondidas, embaixo de um botijão de gás de sua casa.

Após ser preso, Silva indicou onde localizar a outra pessoa que estaria com mais joias roubadas. Cheng Chumee foi detida em sua loja na rua 25 de Março. Após depoimento, ela revelou que as peças estavam em sua casa na Aclimação.

O roubo

Homens armados com submetralhadoras e escopetas invadiram a loja Tiffany & Co. do Shopping Cidade Jardim, no Morumbi, zona sul de São Paulo, em maio de 2010. A joalheria informou que sofreu prejuízo de R$ 1,5 milhão por conta das 72 joias roubadas.

Toda a ação durou apenas três minutos. O grupo chegou ao shopping às 15h20, pelo acesso da avenida Magalhães de Castro (pista local da Marginal do Pinheiros) reservado ao serviço de manobrista. Eles estavam em dois carros - um Gol cinza e um Golf preto. De dentro dos veículos desceram seis deles, que anunciaram o assalto e imediatamente se dirigiram para a loja, localizada no mesmo piso.

Foram rendidos o gerente da Tiffany Arthur Silva Barros, duas vendedoras, uma copeira e um segurança da loja. Segundo a Polícia Militar, as vítimas não sofreram agressões físicas, apenas verbais. Um vigia da loja foi levado como refém, mas acabou libertado e sem ferimentos.

Segundo a polícia, o grupo sabia quais joias iriam roubar. Imagens das câmeras do shopping mostram os assaltantes apontando para as vitrines e mandando funcionários apanharem colares e pulseiras específicos. Um colar de diamantes da Tiffany, por exemplo, chega a custar R$ 300 mil. Para a polícia, não há dúvida de que os criminosos estudaram a joalheria antes de atacá-la.

Veja abaixo imagens do assalto ao shopping no ano passado:

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG