Polícia investiga a morte de 11 emas em zoo de São Paulo

Funcionários do parque afirmam que animais foram atacados por cães vira-latas

iG São Paulo |

AE
Entrada do Zoo Safari, onde emas foram encontradas mortas no último domingo
A 2ª Delegacia do Meio Ambiente de São Paulo, sob comando do delegado Sebastião Celso dos Santos, investiga a morte de 11 emas no Zoo Safari, localizado na avenida do Cursino, na Vila Moraes, zona sul paulista. As emas foram encontradas mortas na noite de domingo, mas a polícia só foi avisada do caso na terça-feira.

Segundo o delegado, funcionários do parque afirmaram que cães vira-latas conseguiram entrar no zoológico e atacaram as emas na madrugada. Pela manhã, afirmam terem visto três cães, mas não sabem o número exato de quantos invadiram o parque.

"Eles alegam que tentaram impedir o ataque, mas não conseguiram", afirma Santos. A maioria das aves estava decapita e teve parte da carcaça devorada. Apenas uma das 12 emas do local sobreviveu e está recebendo tratamento em uma área isolada. Nove morreram e duas foram sacrificadas por conta da gravidade dos ferimentos.

Funcionários contaram também à polícia que, na segunda-feira, viram alguns dos cachorros em um posto de saúde próximo ao parque e chegaram a questionar os atendendes do local sobre quem seria o dono dos animais, mas ninguém soube responder.

O delegado quer, agora, saber se as emas foram realmente mortas pelos cães ou se há algum tipo de crime no caso. Isso porque elas são animais de grande porte, que chegam a medir 1.70 metro e pesar 35 kg. Além disso, a ema é a segunda ave mais veloz do mundo e consegue correr a até 60km/h.

"Vou intimar funcionários do zoológico para prestar depoimento", afirma o delegado. O Centro de Controle de Zoonoses da Prefeitura também foi acionado para tentar encontrar os cães.

Em fevereiro de 2004, um caso de envenamento no zoológico de São Paulo ganhou o noticíario. Na época, mais de 70 animais morreram de forma misteriosa. 

Procurado, o Zoo Safari informou, por meio de nota, que as aves foram necropsiadas pelos veterinários e ficou constada que a causa da morte foi "lacerações e perfurações por mordidas principalmente na região posterior".

O Zoo afirma que os cães são "asselvajados e formados em matilha" e que um deles chegou a tentar atacar um dos funcionários. "Não sabemos ainda o exato local por onde os cães entraram e a vigilância noturna foi reforçada para evitare invasões"

O Zoo

Inaurugurado em junho de 2001, o parque ocupa uma área de 80 mil m² e abriga cerca de 380 animais de 42 espécies diferentes, entre aves, répteis e mamíferos. Os animais ficam soltos e os visitantes passeiam pelo parque dentro dos próprios carros ou de vans que podem alugadas na entrada do local.

    Leia tudo sobre: morte de emaszoolo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG