Polícia indicia 11 por aumento abusivo de combustível em São Paulo

Gerentes de postos de combustível devem responder por violação da lei de economia popular, por obter ganho mediante especulação

AE |

selo

Carolina Garcia / iG
Preço da gasolina chegou a R$ 4 em alguns postos
O Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC) da Polícia Civil indiciou 11 responsáveis de postos de combustível em São Paulo por terem inflacionado o valor da gasolina e álcool nas bombas durante o desabastecimento que ocorreu nesta semana.

Trabalho: Caminhoneiros vão trabalhar no domingo para normalizar abastecimento

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), os gerentes dos estabelecimentos assinaram termo circunstanciado e foram liberados em seguida. Eles devem responder por violação da lei de economia popular, no inciso que fala sobre obter ganhos mediante especulação ou fraude.

O preço do litro da gasolina, por exemplo, que antes do protesto era vendido a cerca de 2,79, atingiu quase R$ 5 em alguns pontos da cidade . O Procon também iria fiscalizar os postos de combustível para verificar denúncias de crime contra a economia popular. Locais flagrados seriam multados no valor que pode chegar a R$ 6 milhões e investigados pelo Ministério Público.

Coluna: Procon-SP recebe mais de 200 denúncias de preços abusivos

Situação: Abastecimento deve voltar ao normal em 8 dias, dizem sindicatos

O protesto de caminhoneiros autônomos que provocou o desabastecimento de quase todos os postos de combustível de São Paulo começou na segunda-feira. Os trabalhadores se manifestavam contra a medida da Prefeitura da cidade que restringe a circulação de caminhões na Marginal do Tietê e outras 25 vias.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG