Polícia divulga imagens do assalto a Tiffany

Para polícia, não há dúvidas que ladrões sabiam exatamente quais joias queriam levar

Agência Estado |

Os oito homens armados com submetralhadoras e escopetas que invadiram a loja Tiffany & Co. do Shopping Cidade Jardim, no Morumbi, zona sul de São Paulo, no último domingo, sabiam quais joias iriam roubar.

Segundo a polícia, as imagens das câmeras do shopping mostram os assaltantes apontando para as vitrines e mandando funcionários apanharem colares e pulseiras específicos. Um colar de diamantes da Tiffany, por exemplo, chega a custar R$ 300 mil. Para a polícia, não há dúvida de que os criminosos estudaram a joalheria antes de atacá-la.

Ladrões de gravata e óculos escuros aparecem nas imagens e pensavam em se confundir com clientes. Dois outros usavam gorros feitos com meias de mulher. A polícia agora aposta nas imagens para identificar os criminosos.

Ação rápida

Toda a ação durou apenas três minutos. O grupo chegou ao shopping às 15h20, pelo acesso da avenida Magalhães de Castro (pista local da Marginal do Pinheiros) reservado ao serviço de manobrista. Eles estavam em dois carros - um Gol cinza e um Golf preto. De dentro dos veículos desceram seis deles, que anunciaram o assalto e imediatamente se dirigiram para a loja, localizada no mesmo piso.

Foram rendidos o gerente da Tiffany Arthur Silva Barros, duas vendedoras, uma copeira e um segurança da loja. Segundo a Polícia Militar, as vítimas não sofreram agressões físicas, apenas verbais. Um vigia da loja foi levado como refém, mas acabou libertado e sem ferimentos.

Outra quadrilha

De acordo com a polícia, os homens que roubaram a joalheria mais luxuosa do País são diferentes dos que invadiram a loja da Montblanc no Shopping Pátio Higienópolis, em 12 de janeiro. Naquele dia, três assaltantes agiram pouco antes do fechamento do shopping, às 22 horas, enquanto a ação de domingo ocorreu à tarde.

Outra linha que a polícia deve seguir para tentar identificar os criminosos é fechar o cerco aos possíveis compradores do material roubado. Como as peças levadas são exclusivas da Tiffany, o rastreamento delas pode permitir que a polícia faça o caminho inverso: do comprador ao ladrão, caso o material seja negociado no mercado nacional.

Duas testemunhas do caso foram ouvidas na segunda-feira no 34.º Distrito Policial (Morumbi). A polícia não tem ainda as imagens feitas pelo circuito interno da Tiffany. A loja prometeu entregá-las até o fim da semana, alegando precisar de autorização da matriz norte-americana. Durante o dia de ontem, a joalheria permaneceu fechada para que os funcionários pudessem fazer um inventário das mercadorias roubadas. Nas lojas vizinhas a Tiffany no shopping impera a lei do silêncio e ninguém comenta o roubo.

Cidade Jardim

O Shopping Cidade Jardim foi inaugurado em maio de 2008 e é um dos mais luxuosos do Brasil. Ali, há grifes como Hermès, Chanel, Longchamp, Louis Vuitton e Giorgio Armani. Ele conta com cerca de 120 lojas em 78 mil m², além de salas de cinema, academia e até um SPA. Há também um condomínio de alto padrão em anexo ao centro comercial.

(*com informações de iG São Paulo)

    Leia tudo sobre: Tiffany & Co.Shopping Cidade Jardimassalto

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG