Polícia descarta partcipação de valets em roubo de restaurantes

Polícia encontra carro modelo Captiva usado durante o arrastão na pizzaria Cristal, zona oeste de São Paulo

Fernanda Simas, iG São Paulo |

A Polícia Civil descarta a participação de valets nos roubos a restaurantes de regiões nobres da cidade de São Paulo. O delegado titular do 15° Distrito Policial, do Itaim Bibi, Paul Henry Verduraz, investiga o arrastão ocorrido na pizzaria Cristal na semana passada e conta que essa linha de investigação foi deixada de lado depois de receber uma denúncia de roubo de um carro modelo Captiva, cor preta – com as mesmas características do modelo usado no roubo a pizzaria. Os policiais encontraram o carro e agora investigam as regiões onde o veículo foi roubado e encontrado.

A possibilidade do envolvimento de valets nos crimes surgiu porque não havia registro de roubo do carro Captiva. A polícia investigava a hipótese de pessoas que ficam nos valets receberem o carro de um cliente e o emprestarem aos criminosos.

Verduraz acredita que a quadrilha que atuou no arrastão na pizzaria seja a mesma que roubou o restaurante Nicota, nas noites de sexta-feira (10) e sábado (11) , e que um estudo do local é feito antes do crime. “É muita coincidência os dois [restaurantes] não terem sistema de segurança, os dois serem próximos da Marginal [Pinheiros], ou seja, uma rota de fuga fácil. O local deve ter sido estudado sim pela quadrilha”, explica o delegado ao iG .

Ação da quadrilha

Segundo o delegado, nos quatro arrastões ocorridos nas regiões de Pinheiros e Jardim Paulistano, a ação da quadrilha foi a mesma. “Eles estacionam o carro bem na porta do estabelecimento, já rendem quem estiver ali e entram no restaurante com todo mundo rendido. Pelo menos três entram com armas, anunciando o roubo e fazem o arrastão. É uma ação muito rápida, não dura nem 2 minutos”, detalha Verduraz.

    Leia tudo sobre: arrastãopizzaria cristalrestaurante nicota

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG