Sistema de cobrança de pedágio por quilômetro rodado só poderá entrar em vigor após novo sistema, que está em teste, ser amplamente usado

O Estado de São Paulo já iniciou os primeiros testes da nova cobrança eletrônica de pedágio nas rodovias do Estado . O sistema, se aprovado, funcionará com a instalação de portais nas rodovias onde ficarão os equipamentos leitores de tags (adesivo com um chip dentro colocado nos veículos) e o valor da cobrança vai variar de acordo com a quantidade de portais que o motorista passar.

“O equipamento já está sendo testado no portal instalado na rodovia Anhanguera com uma frota de veículos que já possui o tag”, informou nesta quarta-feira a Agência Reguladora dos Serviços Públicos de Transporte de São Paulo (Artesp), que acompanha os testes no Estado.

O projeto-piloto será adotado em três pontos da região de Campinas e em outro local, ainda indefinido, no interior. A fase de testes deve durar seis meses e será realizado em trechos entre as atuais praças de pedágios, principalmente onde a distância é maior do que 50 quilômetros. Os equipamentos funcionam por frequência e a forma de cobrança poderá ser por um sistema de créditos pré-pagos, com débito em conta ou envio da fatura para a casa dos usuários com o valor final.

Novo sistema de cobrança poderá reduzir as cabines de pedágios nas estradas paulistas
AE
Novo sistema de cobrança poderá reduzir as cabines de pedágios nas estradas paulistas
A Artesp afirma que fará pesquisas de opinião até outubro deste ano para verificar quantas pessoas pretendem aderir ao novo sistema. Posteriormente, as pessoas que tiverem interesse poderão se cadastrar. A implantação do sistema de pedágio cobrado de acordo com a quantidade de quilômetros percorridos em uma rodovia é uma meta de longo prazo, depois do sistema estar implantado e ter havido a massificação dos usuários. Só então, estudos serão feitos para ver os pontos que a nova forma de cobrança será viável.

Esses testes fazem parte das mudanças que o governo de São Paulo pretende implementar na cobrança automática de pedágios. Atualmente, a cobrança automática é feita pelo modelo Sem Parar, no qual os veículos que têm um tag passam pela praça sem a necessidade de enfrentar as filas. O pagamento ocorre também por débito automático ou envio de boletos.

Pedágio por quilômetro rodado

A Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) considera vantajoso o novo modelo de pedágio. “É mais justo porque cada um vai pagar pela distância percorrida”, afirma o presidente da ABCR, Moacyr Duarte.

“Esse sistema novo permite que você cobre pela distância percorrida, então quem percorre menos do que a distância entre uma praça [de pedágio] e outra, pagará menos. Ao mesmo tempo, uma porção de gente que não paga hoje porque sai da rodovia antes de chegar na praça de pedágio, vai pagar”, ressalta. Atualmente o motorista paga taxas fechadas por trechos, independente do quanto foi percorrido.

Contudo, Moacyr Duarte considera que o sistema só será eficaz se houver uma boa fiscalização. “Estamos apoiando a implantação, mas é preciso ter certeza de que os veículos que vão passar [nas rodovias] vão pagar os pedágios. Se 20% que não aderir [ao novo sistema] não pagar, você vai onerar os 80% que pagam”, explica.

Como possível forma de fiscalização ele cita o Siniav (Sistema Nacional de Identificação Automática de Veículos). “Todos os veículos teriam um tag [aparelho com chip] para a identificação de veículos que passem sem ser cadastrados. Com a identificação, você tem condições de multar a pessoa”, conta Duarte.

A Artesp afirma que uma possibilidade de fiscalização é por meio de câmeras de vídeo com leitura de placas. Além disso, é possível que algumas cabines de cobrança monetária de pedágios (como as existentes atualmente) continuem existindo para fazer a cobrança de carros de outros estados, por exemplo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.