Operação prende 4 PMs suspeitos de roubar caixas eletrônicos

Para delegado, mais de cem pessoas entre policiais e civis estão envolvidas nas quadrilhas

Fernanda Simas, iG São Paulo |

A Operação Caixa Preta realizada pelo Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic) teve início há dois meses e meio e prendeu, nesta terça-feira, parte de uma quadrilha especializada em roubos de caixas eletrônicos na capital e Grande São Paulo. A quadrilha também é responsável por roubos a agências dos Correios e residências. Sete mandados de prisão foram cumpridos hoje e foram presos quatro policiais militares, dois civis e um ex-policial militar expulso da corporação no início do ano por agressão a um companheiro. Foram apreendidos computadores, celulares e armas de brinquedo usadas em treinamentos da quadrilha, além das armas dos policiais.

Os policiais militares presos são os sargentos Alessandro Bomba e Rosivaldo e os soldados que trabalhavam no batalhão de trânsito Edvandro e João Paulo Vitorino de Oliveira, coordenador de parte da quadrilha que orientava o que fazer o como atacar. Ele foi responsável por coordenação dos roubos ao caixa eletrônico do clube Ipê e ao caixa eletrônico do Banco do Brasil, na avenida do Cursino, zona sul da capital.

Um dos civis presos é André Luis Leite, conhecido como Andrezinho. Ele era o líder da quadrilha e o responsável por aliciar policiais militares a participar dos crimes. Andrezinho estava com o mandado de prisão expedido e, segundo o diretor do Deic, delegado Nelson Guimarães, seria preso na segunda-feira (30). Ele estava em Manaus e a polícia tinha preparado uma operação para prendê-lo na volta para São Paulo, ainda no avião. Mas, de acordo com o delegado Nelson, uma nota publicada na imprensa no domingo alertou o bandido que antecipou o retorno.

AE
Suspeito identificado como Andrezinho, acusado de ser o chefe da quadrilha, chega ao Deic

A operação comandada pela Delegacia de Repressão a Roubo a Bancos, parte do Deic, já prendeu 26 pessoas, entre eles sete policiais militares em atividade, de uma mesma quadrilha. O delegado Nelson explicou que a polícia ainda investiga outras três quadrilhas suspeitas de cometer os mesmos crimes. “São quatro quadrilhas. As outras estão praticamente intocadas.”

Além disso, o delegado afirmou que as quadrilhas “não são isoladas, elas interagem entre si. É uma imensa rede, há muita gente a ser investigada e muita gente a ser presa”, mas não quis precisar quantos outros policiais estão sendo investigados. Ele acredita que “tem mais de cem pessoas envolvidas nisso aqui”, entre policiais e civis.

O subcorregedor da Polícia Militar, coronel Edson Silvestre, contou que “nem todos os furtos a caixas eletrônicos que estão ocorrendo na cidade de São Paulo têm a participação de PMs”, mas que quando há a participação, os policias agem na cobertura dos crimes e não nas ações (de explodir e roubar o dinheiro do caixa eletrônico, por exemplo). Inclusive, por darem apenas cobertura, os policiais não tiravam suas fardas.

O coronel explicou que os policiais presos já foram afastados das ações da Polícia Militar e vão responder a um processo administrativo. A partir disso, se eles forem punidos, podem sofrer desde uma sanção até uma expulsão.

Presos no fim de semana

No último sábado (28), dois policiais militares foram presos dentro de uma agência bancária, no bairro Jabaquara, zona sul de São Paulo, suspeitos de tentativa de roubo a caixa eletrônico. Um colega da dupla, também policial militar, tentou "ajudar" os suspeitos enviando uma mensagem de texto sobre a chegada do Grupo de Operações Especiais (GOE), mas também foi preso. Com os três foram encontraram pé-de-cabra, furadeira, broca e máscaras. Além de um tubo de PVC com material explosivo.

Roubos na madrugada

Mais três casos de roubos a caixas eletrônicos foram registrados na capital e na Grande São Paulo nesta madrugada. Em Pinheiros, bairro da zona oeste da cidade, sete bandidos amarraram os vigias da Editora Saraiva, na Rua Henrique Schaumann, e roubaram três máquinas do banco Itaú, por volta das 3h. Ninguém foi preso. Veja outros vídeos sobre roubos a caixas eletrônicos .

Já em Osasco, os bandidos explodiram outras três, todas da rede Banco 24 Horas. A explosão se transformou em um incêndio, por volta das 3h30, em um supermercado na rua Professora Adelaide.

Por volta das 4h40, criminosos tentaram explodir uma máquina com um maçarico dentro de uma agência em São Bernardo do Campo, no ABC. Diante de uma tentativa frustrada, os bandidos fugiram do local sem levar nada.

Já o último caso desta madrugada ocorreu em um prédio da empresa Telefônica que foi invadido pelos bandidos, por volta das 5h. Os criminosos renderam os vigias do local e, com o uso de maçaricos, destruíram o caixa eletrônico e levaram o dinheiro.

AE
Explosão provocada por criminosos gerou incêndio em mercado de Osasco

    Leia tudo sobre: caixas eletrônicosbancopoliciais militares

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG