Operação prende 12 suspeitos de desviar R$ 10 milhões em medicamentos

Entre os medicamentos desviados da rede estadual de saúde, estavam remédios de alto custo usados no tratamento de câncer

iG São Paulo |

Uma operação conjunta do Ministério Público (MP) e da Polícia Civil do Estado de São Paulo prendeu, na manhã desta quinta-feira (2), 12 suspeitos - 11 em São Paulo e um no Rio de Janeiro - de integrar uma quadrilha investigada por desviar medicamentos da rede pública estadual de saúde. Segundo as primeiras estimativas, a ação da quadrilha causou prejuízo de pelo menos R$ 10 milhões aos cofres públicos.

Outro caso: Operação apreende remédios desviados da rede de São Paulo

AE
Policiais chegam ao prédio da delegacia em São Paulo com caixas de remédios apreendidas durante a operação realizada nesta quinta-feira
De acordo com o MP, foram cumpridos mandados de prisão e de busca em São Paulo, Rio de Janeiro, São Caetano do Sul, Praia Grande e Itaquaquecetuba. A operação teve a participação de cinco promotores de Justiça, 50 policiais civis, três corregedores da administração e 10 agentes sanitários.

De acordo com as investigações, iniciadas há seis meses, a quadrilha é suspeita de desviar medicamentos de alto custo da rede estadual, com a ajuda de funcionários públicos, e os revendia para farmácias e distribuidoras de medicamentos.

Nas residências dos suspeitos, em farmácias e distribuidoras foram apreendidos vários tipos de medicamentos de origem controlada, inclusive destinados a tratamento oncológico oferecido a pacientes da rede estadual de saúde. Também foram apreendidos diversos veículos pertencentes aos investigados.

Leia também: Centro de distribuição de remédios é assaltado em São Paulo

Segundo o MP, a ação da quadrilha era comandada de dentro do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros, na capital, por Stefano Mantovani Fernandes, condenado a 14 anos de prisão por receptação e comercialização de medicamentos da rede pública. Por telefone celular, ele passava as ordens para a esposa dele, Debora Aretusa Fulep da Luz, moradora em São Bernardo do Campo, e para seu cunhado Rodrigo Eduardo de Paula, ambos presos durante a operação.

Também foram presos Rogério Penedo Ferreira da Silva, Casimimiro Bilevicius Junior, Eliane Assunção de Siqueira, Ronaldo Ramos de Siqueira, Luiz Leite do Nascimento, Marcos Roberto da Silva Siqueira, Sidinei Dias, Fernando Rocha da Silva e Edson André dos Santos.

Rogério Penedo Ferreira da Silva, proprietário de distribuidoras de medicamentos na Baixada Santista é apontado com um dos receptadores dos produtos desviados, assim como Casimiro Bilevicius Junior, proprietário de distribuidora na capital paulista, Luiz Leite do Nascimento, proprietário de farmácia em
São Paulo, e Marcos Roberto da Silva Siqueira, preso no Rio de Janeiro, onde mantém uma distribuidora de medicamentos em Belfort Roxo. Edson André dos Santos, proprietário de distribuidora e farmácia, também é suspeito de receptação dos medicamentos obtidos ilegalmente pelo grupo.

Eliane Assunção de Siqueira, servidora do Hospital Brigadeiro, é suspeita de ser uma das fornecedoras de medicamentos da rede pública à quadrilha, com a ajuda de seu marido, Ronaldo Ramos de Siqueira. Rogério Penedo é apontado como o homem que desviava medicamentos do Instituto Brasileiro Contra o
Câncer, e Fernando Rocha da Silva é suspeito de desviar remédios do Hospital Samaritano, onde trabalha como auxiliar de farmácia.

    Leia tudo sobre: operaçãomedicamentoshospitais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG