'Operação da Cracolândia é da PM', diz chefe do Denarc

Wagner Giudice diz que adaptou o trabalho do departamento na região à realidade criada pela operação da qual não foi informado

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

AE
O chefe do Denarc, Wagner Giudice, em 2006
“A operação é da Polícia Militar”, disse, em entrevista ao iG , o chefe do Departamento de Investigações Sobre Narcóticos da Polícia Civil de São Paulo, delegado Wagner Giudice.

Embora seja o principal responsável pelo combate às drogas no Estado, Giudice não foi informado sobre a ação da PM na região da Cracolândia e teve que adaptar o trabalho de um ano no local à nova realidade criada pela operação.

Na semana passada, diante de críticas, as autoridades adotaram o discurso de que a ação na Cracolândia foi coordenada e envolveu diversos setores dos governos estadual e municipal.

Conjunta: Alckmin diz que Cracolândia precisa "da ajuda de todos"

Violência mata mais: Uso de crack supera 10 anos na Cracolândia, mostra pesquisa

Pai da Cracolândia: Tenta botar ordem no caos

Protesto: Churrasco na Cracolândia divide espaço com consumo da droga

Embora não tenha sido avisado com antecedência, Giudice não poupa elogios à iniciativa. Segundo ele, a ação da PM no local facilita o combate ao tráfico. “É o começo do fim da Cracolândia”, disse. Leia os principais trechos da entrevista:

iG - O consumo de crack é maior do que o de cocaína?

Wagner Giudice - Não. Acredito que sejam equivalentes. Meio a meio.

iG - Então porque o crack causa um dano social maior?

Giudice – O crack tem um poder viciante terrível. Ele degrada a pessoa. O viciado rompe muitas barreiras da vida social dele até que vai morar na Cracolândia e vira um completo excluído. A cocaína, não. A pessoa consegue conviver com ela. Para alguns pode ser uma droga recreativa.

iG - A Cracolândia passou a ter uma atenção especial depois da operação?

Giudice - A Cracolândia é uma coisa que sempre me incomodou pessoalmente muito e no ano passado fizemos 200 prisões lá. Apreendemos 120 quilos de crack lá dentro ao longo do ano. Foram diversas pequenas prisões. A gente já tinha um trabalho em desenvolvimento. Depois que a PM fez a incursão estamos adaptando nosso trabalho a essa nova realidade.

iG - O senhor informado anteriormente sobre esta operação?

Giudice - Eu não.

iG - E não seria o caso, já que o senhor é o responsável pela área de narcóticos da polícia?

Giudice - Eu não cuido só disso. Cuido do Estado de São Paulo inteiro. Isso foi uma operação da Polícia Militar. Estávamos trabalhando há um ano lá. Já tínhamos prendido muita gente, identificado muita gente. Temos nossos caminhos lá. Não somos novatos na Cracolândia.

iG – Qual o impacto da operação da PM no trabalho do Denarc?

Giudice - Nossa condição de abordagem ficou muito melhor. Agora eles andam em cinco ou seis pessoas. Antes eram 200. Nossas equipes não são batalhões. São três ou quatro policiais. Ficou melhor para a gente fazer a abordagem embora tenha espalhado. O serviço de inteligência vai ter que ser maior.

iG - Algumas pessoas dizem o contrário. Dizem que antes ficava concentrado e por isso era mais fácil saber onde estavam os traficantes.

Giudice - Fica mais concentrado mas eu pergunto: e para chegar lá? Eles são muito agressivos. É igual torcida organizada. Sozinho o indivíduo é uma pessoa. Em grupo vira vândalo. Muitas incursões nossas foram rechaçadas lá dentro. Eles até mordiam os policiais. Era um horror.

iG – O crack subiu na escala de prioridades do Denarc depois da operação?

Giudice – Não só no Denarc mas na administração toda. Estamos trabalhando muito em cima disso por conta dessa operação da PM.

iG – Qual sua opinião sobre a operação?

Giudice - Houve polêmica mas é uma operação importante. Não importam as discussões paralelas. É lógico que a polícia vai receber muita crítica. Vai ser uma experiência paulista, paulistana. Quando comecei a trabalhar na Cracolândia me disseram que eu estava enxugando gelo. Respondi que se não enxugarmos o gelo acaba virando uma poça de lama. A Cracolândia não volta mais. É o começo do fim da Cracolândia.


    Leia tudo sobre: cracolândiadenarcoperação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG