Nova linha do Metrô é inaugurada em São Paulo

Sem banheiro,SP ganha a linha mais moderna de Metrô. Trecho, inaugurado com atraso, não funcionará em horário de pico por enquanto

Lecticia Maggi, iG São Paulo |

Ao som de bateria de samba e com chuva de papel picado, o governador de São Paulo, Alberto Goldman, inaugurou nesta terça-feira o primeiro trecho da Linha 4 do Metrô, que liga a estação Paulista, localizada na rua da Consolação, à estação Faria Lima, no Largo da Batata.

AE
Usuários do Metrô aguardam abertura da nova Linha do Metrô em frente à estação Paulista

A inauguração - com dois anos de atraso - contou com a presença do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Os ex-governadores tucanos José Serra (PSDB) e Geraldo Alckmin (PSDB) não participaram do evento, pois deixaram os cargos para concorrer às eleições deste ano. Serra é pré-candidato à presidência e Alckmin, ao governo de São Paulo.

"Qualquer dirigente gostaria de estar inaugurando essa linha. Serra esteve aqui nos últimos dias de sua gestão e andamos nos trens, mas ainda faltavam alguns ajustes", afirmou Goldman.

A Linha 4 faz parte do chamado Plano de Extensão do Transporte Metropolitano, o Expansão São Paulo, iniciado na gestão Serra, em 2007. Com o maior investimento em transporte público já realizado no País, serão R$ 20 bilhões até 2010, o programa quer quadruplicar a rede sobre trilhos na capital paulista, que passaria a ter 240 km de trilhos, sendo 160 km em forma de metrô de superfície. "O sonho foi realizado", disse Goldman. "A cidade tem no Metrô o seu maior pilar de desenvolvimento", completou Kassab.

AE
Goldman e Kassab, os primeiros passageiros da nova linha do Metrô em São Paulo
Apesar da expansão, ainda são apenas 64,9 km de malha metroviária na capital paulista - com o trecho inaugurado nesta segunda-feira. Para se ter uma ideia, São Paulo e Cidade do México começaram a construir na mesma época sua malha metroviária, cerca de 40 anos atrás, e hoje a Cidade do México já tem 201 km de metrô.

Goldman rebateu as críticas feitas pelo atraso de dois anos na entrega da linha, que deveria acontecer em 2008. "Tivemos de fazer várias desapropriações e a todo momento tínhamos demandas judiciais. É uma obra muito complexa", afirmou. O governador também lembrou do acidente na estação Pinheiros, em janeiro de 2007, que matou sete pessoas.

Moderna, mas sem banheiro

Com 3,6 km de extensão, a Linha 4 é a mais moderna do País. Entre as novidades tecnológicas, está o serviço de internet sem fio de alta velocidade e os trens automáticos, sem condutores. Outra solução inédita é o equipamento que permitirá regular o consumo de energia, evitando desperdício. Além disso, o sistema de frenagem vai produzir energia elétrica, que será guardada e utilizada pela própria composição.

Os trens andarão em sistema carrossel, no qual todos seguem na mesma velocidade e o ajuste da frota é feito de acordo com a demanda de tráfego. Assim, o tempo de espera poderá diminuir dos programados 90 segundos para até 75 segundos.

Os novos trens que circularão entre as duas estações não terão vagões separados. Eles são formados por um corpo interligado por "portas de salão", ao contrário do existente hoje nas outras linhas. "Assim fica bem mais fácil, você pode passar de um vagão para o outro", comemorava uma das passageiras. Cada composição tem 128,4 metros.

Arte/iG
Extensão do Metrô
Dentro, o usuário terá ar-condicionado e som ambiente, além de quatro câmeras de vigilância em cada um dos vagões. Além da internet, poderão utilizar celulares, como nas outras linhas do Metrô.

A maioria dos usuários era só elogios ao trem e às novas estações. "Olha os detalhes do banco, que bonito", comentava com a amiga a chefe de cozinha Lara Verner, de 28 anos. Há, porém, quem encontrasse defeitos. O aposentado Tom Van Eurijick, de 72 anos, reclamava dos alto-falantes do trem. “O sistema ainda está ruim, não consigo entender o que dizem”, afirmou.

Além disso, apesar de toda modernidade, as novas estações não têm banheiros públicos. "Depois da obra, tudo é fácil. Os banheiros não estavam previstos nos projetos porque ele têm mais de uma década", afirmou o governador, acrescentando que os banheiros "são fáceis de fazer".

Parceria Público-Privada

Essa é a primeira linha do País a operar pelo sistema de Parceria Público Privada (PPP). A concessionária ViaQuatro é responsável pela operação e manutenção da linha. De acordo com a Secretaria dos Transportes, a empresa investirá US$ 450 milhões entre sistemas, equipamentos e trens. Estarão disponíveis 14 trens aos usuários. “A parceria é importante porque quando o governo não tem recurso suficiente traz o dinheiro privado”, afirmou Goldman.

Por enquanto, as Estações Paulista e Faria Lima vão funcionar em esquema de testes, de segunda a sexta-feira. A partir de quarta-feira, elas funcionarão das 9h às 15h. Durante essa fase, não haverá cobrança de tarifa e a ligação com a Linha 2-Verde, na Estação Paulista, ficará fechada.

(*com informações da Agência Estado)

    Leia tudo sobre: MetrôSão PauloLinha 4-Amarela

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG