'Nasci de novo. Quero esquecer isso', diz cobrador

Clóvis Santos Galdino Jr. estava no ônibus que caiu de um viaduto sobre uma linha férrea em São Caetano do Sul

Carol Garcia, iG São Paulo |

Como todos os dias, Clóvis Santos Galdino Jr., de 38 anos, deixou sua casa, às 3h30, em Sapopemba, em São Mateus, em São Paulo, para ir trabalhar. Ele é cobrador de ônibus da linha 101 São Caetano do Sul (Vila Prosperidade)/ São Paulo (Vila das Olarias), da empresa Interbus Transporte Urbano e Interurbano Ltda., que presta serviços para a EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos).

Adriano Lima / Fotoarena
'Nasci de novo. Quero esquecer isso aqui', diz cobrador
Segundo Galdino Jr., o ônibus já circulava havia duas horas e estava em sua quarta volta no trajeto, quando caiu de um viaduto na rua Rua Felipe Camarão , em cima de uma linha ferroviária 10-Turquesa da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

O cobrador lembra claramente de um carro trafegando na contramão. "Acredito que a Lilian (Souza Freitas, motorista) freiou e, com o tipo de asfalto, o ônibus patinou no local. Ficamos de frente para o barranco. O cenário era de pânico e terror", explica.

Evangélico e frequentador da Congregação Cristã do Brasil, Galdino Jr. não esconde a fé que diz ser fundamental nessa hora. "Foi Deus quem me tirou dali ileso, se estou vivo agradeço a ele."

Pai de três filhos, 17, 15 e 10 anos, o cobrador conta que só conseguia pensar nos filhos. "Quando pensei neles, fui interrompido pelos gritos de: olha o trem, olha o trem!" - pessoas que presenciaram o acidente tentavam alertar sobre a chegada do trem da CPTM. que se chocou com o ônibus.

"Nasci de novo. Quero esquecer isso aqui. Não sei qual será a minha reação quando vir meus filhos", conclui o cobrador, que só terá como lembrança do acidente o moleton sujo de sangue, não dele, mas de outras pessoas que ele ajudou a socorrer.

    Leia tudo sobre: acidentetremônibuscptm

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG