Mãe disse à polícia que queria que a criança desligasse a televisão e fosse dormir; garoto segue internado com queimaduras em toda a parte frontal do corpo

Uma mulher foi detida pela Polícia Militar depois de jogar álcool e atear fogo no prório filho, de 10 anos, na Vila Esperança, na zona leste de São Paulo. Segundo a Polícia Militar, Sandra Gomes Bacelar, de 35 anos, afirmou que queria que a criança desligasse a televisão e fosse dormir. O crime ocorreu na Rua Montes Áureos, altura do número 196, na noite de segunda-feira.

Leia também: Mãe é acusada de matar a filha afogada em Minas Gerais

Sandra Gomes Bacelar, de 35 anos, é detida após jogar álcool e atear fogo no próprio filho, em SP
AE
Sandra Gomes Bacelar, de 35 anos, é detida após jogar álcool e atear fogo no próprio filho, em SP

Segundo a PM, a vítima estava em seu quarto, deitado na cama, quando a mãe jogou álcool sobre ele. Sandra, então, o teria arrastado até o banheiro da casa e ateado fogo no filho. A embalagem do álcool e as roupas da criança foram encontradas no lixo da rua. Sandra mostrava claros sinais de embriaguez quando foi presa, segundo os policiais.

Os agentes militares afirmaram que a polícia recebeu aviso de testemunhas sobre gritos e possível de briga de casal. Quando chegaram na casa, Ubiraci Uchoa Vieira, de 39 anos, padrasto do garoto, estava com ele e sua irmã, de 3 anos, dentro de um carro, modelo Agile.

O padrastro disse à polícia que, no momento do crime, dormia ao lado da menina de 3 anos, que é sua filha. Após o ocorrido, ele afirmou ter colocado as crianças no carro para levar o menino ao hospital da região. A criança sofreu queimaduras em toda a parte frontal do corpo, rosto, tronco e membros, além das vias respiratórias. Ele permanecia entubado no hospital, em estado grave.

O caso foi registrado no 24º DP, Ermelino Matarazzo, onde Sandra permanece detida. Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP), Sandra responderá por turtura e tentativa de homicídio simples (doloso, quando há intenção de matar). Ela deve ser transferida ainda hoje para um Centro de Detenção Provisória (CDP).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.