"Motivação pode ser sexual", diz policia sobre morte de Bianca Console

Cunhado da jovem foi preso após resultados de exames apontarem sua autoria. "Tudo leva a crer que foi sexual", disse o delegado

Carolina Garcia, iG São Paulo |

AE
Motoboy Sandro Dota foi preso na noite de segunda-feira e levado para o DHPP
O assassinato de Bianca Console, universitária de 19 anos morta em setembro deste ano , foi considerado esclarecido pelos investigadores do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil de São Paulo. Segundo o diretor do departamento de homicídios, Mauricio Guimaraes, a prisão de Sandro Dota, cunhado e principal suspeito , era certa e só dependia de confirmações técnicas. Ainda segundo o delegado, "a motivação (do crime) pode ser sexual".

"Sandro era monitorado desde o dia seguinte do assassinato. A investigação ocorria em sigilo, porque esperávamos uma prova técnica que colocava por terra suas versões", disse Guimarães.

Entenda o caso:
Jovem é encontrada morta dentro de casa em São Paulo
Corpo de jovem encontrada morta dentro de casa é enterrado

Para a polícia, um resultado do exame de DNA foi fundamental. O diretor explicou que Bianca tinha vestígios de pele humana embaixo das unhas com resquícios de sangue. "Esse material combinou com uma mancha que tinha na calça dele usada no dia do crime".

AE
Luis Brito Bicudo, tio de Bianca, esteve nesta manhã na entrada do DHPP segurando uma camiseta com a foto da sobrinha
Segundo o diretor do DHPP, as roupas de Sandro foram coletadas no dia seguinte do crime com sua própria esposa. "Até registramos e temos fotos dela nos entregando a roupa por vontade própria. A perícia encontrou uma marca na calça e não era possível vê-la com clareza já que estava muito suja".

O laudo confirmou ainda que as amostras de sangue eram de um homem. Outros fatores como o rastreamento do celular de Sandro e uma possível atração sexual por Bianca, que foi confirmada pela família, foram fundamentais para a conclusão da autoria do crime.

"Sabemos que foi ele e não há dúvidas ou testemunhos que o ajudem. O caso está encerrado", disse enfático Guimaraes, ressaltando que a motivação do crime só será confirmada com um novo laudo a ser emitido concluído pela perícia nos próximos dias. Sandro foi indiciado e, até o momento, responde por homicídio triplamente qualificado. Caso seja confirmada a tentativa de estupro, o indiciamento pode ser modificado.

Guimarães explicou que no princípio o crime havia sido registrado como latrocínio, já que o imóvel estava revirado e havia testemunhas que confirmavam o interesse de Sandro no dinheiro do sogro, que possui uma borracharia na região. "Isso foi desmentido depois de novos depoimentos que citavam que Sandro se insinuava para Bianca. Tudo leva a crer que foi sexual".

Ferimentos e possível fuga

Sandro apresentava arranhões nos braços e pernas na época do crime. Confrontado pela polícia, ele afirmou que os ferimentos foram consequência de uma queda em uma obra que realizava na casa de uma tia.

Ao visitar o local, os investigadores concluíram que a viga que Sandro apontou não poderia ter causado tal ferimento na perna. A perícia constatou ainda que a madeira tinha 29 cm de altura e o ferimento de Sandro, 40. A polícia ainda informou que para entrar na casa de Bianca, uma pessoa teria que passar por um degrau de 40 cm.

Segundo os investigadores, havia possibilidade de Sandro fugir já que se mudou pelo menos duas vezes depois da morte de Bianca. "Toda aquela movimentação era suspeita. E até esperávamos uma tentativa de fuga". Ao ser preso na noite de ontem e se mostrou surpreso com a presença dos policiais na sua casa. Não houve resistência e, segundo o diretor, ele foi preso quando deixava sua casa também na zona leste.  

    Leia tudo sobre: Bianca Consolecrimessandro dota

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG