Dos oito córregos que transbordaram desde novembro por conta das chuvas de verão, apenas três não tiveram obras

selo

As obras feitas pela Prefeitura de São Paulo nos córregos não foram suficientes para conter os transbordamentos deste verão. Dos oito córregos e rios que transbordaram desde novembro, cinco tiveram intervenções dadas como "concluídas" pelo poder público - que garantiu que elas seriam suficientes para pôr fim aos problemas de drenagem.

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo cruzou as informações de todas as obras de drenagem e canalização da Prefeitura com a quantidade de transbordamentos registrados pelo Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE). A lista com as intervenções feitas de 2005 a 2010 foi encaminhada pela Prefeitura ao Ministério Público Estadual, que instaurou um inquérito para apurar as causas das enchentes.

O documento garante que, das intervenções elencadas, "as que puderam ser concluídas resolveram definitivamente o problema de drenagem". Também afirma que foi possível eliminar 80 pontos críticos de alagamentos até o presente momento. Até o fim da gestão Gilberto Kassab (DEM), em 2012, seriam 170. A Prefeitura não informou quais foram os pontos solucionados.

Transbordaram, de novembro até agora, os Córregos Ipiranga, Mooca, Morro do S, Jaguaré, Cabuçu de Baixo no Guaraú, Limoeiro e Limão e o Rio Aricanduva. Desses, apenas os três últimos não tiveram obras de drenagem ou canalização concluídas. Os demais receberam, nos últimos cinco anos, investimentos de R$ 78,3 milhões. Os Rios Tietê e Pinheiros também transbordaram, mas a responsabilidade por eles é do governo do Estado.

A Prefeitura reafirma que as obras resolveram os problemas de drenagem. O município, no entanto, faz a ressalva de que algumas fazem parte de um conjunto maior de intervenções em determinada bacia hidrográfica, cujos problemas só serão resolvidos com a conclusão de todas. "Os cinco córregos referidos tiveram as obras concluídas e não sofreram alagamentos nas áreas de abrangência das intervenções. No entanto, fazem parte de bacias hidrográficas de considerável extensão, que exigem número expressivo de obras." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.