Médicos vão suspender atendimento a planos em SP a partir de setembro

Primeiras especialidades médicas a interromperem o atendimento são ginecologia e obstetrícia, otorrinolaringologia, pediatria, pneumologia, cirurgia plástica e anestesiologia

AE |

selo

Os médicos de São Paulo começam a partir do dia 1º de setembro a suspender o atendimento a pacientes de dez planos de saúde , obedecendo um rodízio sequencial divulgado nesta sexta-feira. Segundo as associações médicas, os médicos de todas as especialidades paralisarão temporariamente e de forma escalonada o atendimento a dez operadoras de planos de saúde.

De acordo com a Associação Paulista de Medicina (APM), as primeiras especialidades médicas a interromperem o atendimento são ginecologia e obstetrícia, otorrinolaringologia, pediatria, pneumologia, cirurgia plástica e anestesiologia.

Segundo a Comissão Estadual de Honorários Médicos de São Paulo, quinze empresas foram listadas para para iniciar as negociações. Destas, apenas cinco enviaram uma proposta concreta de reajuste, estabelecendo índices e prazos (Amil, Golden Cross, Medial, Marítima e Geap). As outras dez, Gama Saúde, Porto Seguro, Intermédica, Greenline, Notredame, ABET (Telefônica), Caixa Econômica Federal, Cassi (Banco do Brasil), Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e Embratel, ou deram respostas evasivas à possibilidade de negociação ou sequer enviaram uma resposta à comissão, informou a comissão.

A suspensão dos atendimentos é uma forma de protestar contra os baixos honorários e as interferências abusivas que impossibilitam a adequada assistência aos cidadãos, segundo os médicos. A suspensão deve prosseguir por tempo indeterminado até que as reivindicações sejam atendidas. O atendimento de urgências e emergências será mantido.

Os anestesiologistas terão papel diferenciado no movimento e darão apoio a todas as especialidades cirúrgicas, parando semanalmente os procedimentos das áreas que estiverem no rodízio sequencial de suspensão.

Reivindicações

Os médicos definiram como pauta do movimento estadual a recomposição do valor da consulta para R$ 80,00 e procedimentos atualizados proporcionalmente de acordo com o sistema de hierarquização da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM).

A categoria também cobra a regularização dos contratos entre médicos e operadoras, com a inserção de cláusula de reajuste anual baseado no índice autorizado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) para os planos individuais.

Outra reivindicação é o fim das pressões das empresas para que reduzam solicitações de exames, internações e outros procedimentos, interferências inaceitáveis que colocam em risco a saúde dos cidadãos, conforme alegam os médicos.

    Leia tudo sobre: SAUDEsão pauloplanos de saúde

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG